PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Prefeito do Recife propõe defesa do etanol na Conferência Nacional do Clima

16/09/2019 17h35

Recife, 16 set (EFE).- O prefeito do Recife, Geraldo Júlio, presidente para a América do Sul da Rede de Governos Locais pela Sustentabilidade (ICLEI), organização ligada à ONU, propôs nesta segunda-feira a defesa do etanol braisleiro na Conferência Nacional do Clima, que acontecerá na capital pernambucana, entre 6 a 8 de novembro, como preparação para a COP-25, no Chile.

"O mundo inteiro está debatendo a questão das mudanças climáticas e a necessidade de diminuir o uso de combustíveis fósseis. O uso de etanol, por exemplo, reduz em 70% as emissões de carbono, por isso ela deve ser valorizada aqui no Brasil, para que a gente possa cada vez mais usar os combustíveis renováveis e diminuir as emissões. O planeta já disse basta há muito tempo", afirmou.

Júlio participou hoje da abertura do Fórum Nordeste, que debate os "desafios e oportunidades nos setores de biocombustíveis, etanol e energias limpas". O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, também esteve presente no evento e destacou a importância do encontro.

"Esperamos que as discussões de hoje possam criar uma agenda que olhe os aspectos atuais voltados para o meio ambiente, mas que também dialoguem para a melhoria da produtividade e da geração de emprego, isso é fundamental. O Brasil precisa retomar o crescimento e com isso gerar emprego e renda para a população", disse.

Pernambuco é um dos principais produtores de etanol no Brasil. De acordo com o Sindicato da Indústria do Açúcar e do Álcool no estado (Sindaçúcar-PE), a produção na safra 2018-2019 aumentou em quase 35% em relação a 2017-2018, o que corresponde a 59% da colheita.

Para este ano, a projeção para o estado, é de 420 milhões de litros de etanol para a safra 2019-2020. Em Pernambuco, das 12,5 milhões de toneladas de cana de açúcar estimadas para a próxima safra, serão produzidos 430 milhões de litros de etanol e 800 mil toneladas serão empregadas na produção de açúcar. EFE