PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Bolsonaro diz que errou ao votar contra reforma da Previdência no passado

Uéslei Marcelino/Reuters
Imagem: Uéslei Marcelino/Reuters

Vera Rosa e Julia Lindner

Brasília

20/02/2019 11h37

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje que errou ao ter se posicionado contra a reforma da Previdência quando era deputado federal. Ao entregar no período da manhã a proposta de seu governo ao Congresso, Bolsonaro pediu apoio para aprovação do texto e afirmou que, se à época em que era parlamentar tivesse o conhecimento de hoje sobre a situação da Previdência, teria avalizado mudanças na aposentadoria.

Além de se mostrar contrário à reforma quando era deputado, Bolsonaro afirmou na campanha eleitoral do ano passado que o desequilíbrio nas contas públicas não tinha qualquer relação com Previdência. Chegou a dizer, ainda, que jamais atuaria para levar "miséria" aos aposentados por exigência do mercado financeiro.

"Foi um gesto de humildade do presidente admitir que, no passado, errou sobre a Previdência. Ele disse que, como parlamentar, não compreendeu a importância da reforma", disse Baleia Rossi (SP), líder do MDB na Câmara.

O deputado participou da reunião em que Bolsonaro e os ministros Paulo Guedes (Economia) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil) apresentaram a proposta aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e a líderes partidários.

Preocupações com base de apoio

Na prática, a indefinição sobre o tamanho e a coesão da base de apoio do governo no Congresso preocupa o Palácio do Planalto. Ontem, por exemplo, o governo sofreu sua primeira derrota na Câmara, que derrubou o decreto presidencial sobre classificação de documentos ultrassecretos. Foi um revés sofrido pelo Executivo no rastro da crise política provocada pela demissão de Gustavo Bebianno do cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência.

"Nós vamos ter de juntar os cacos", disse a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), para quem Bolsonaro precisa começar a conversar com o Congresso. "Há muitos deputados insatisfeitos, que estão mostrando o descontentamento no plenário", argumentou ela.

Responsável pela articulação política do Planalto com o Congresso, o ministro Onyx afirmou, a portas fechadas, que a hora de consolidar a base de sustentação do governo é agora. "Ainda não há mesmo partidos que se declaram como base do governo, com exceção do PSL (sigla de Bolsonaro), mas isso está em construção", concluiu Baleia Rossi.

Bolsonaro entrega nova proposta de Prêvidencia; oposição protesta

UOL Notícias