IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

BC ter credibilidade é melhor forma de ajudar governo, diz Campos Neto

Presidente Lula (PT) e Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central - Ricardo Stuckert/PR e Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Presidente Lula (PT) e Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central Imagem: Ricardo Stuckert/PR e Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Eduardo Laguna e Thais Barcellos

Em São Paulo e em Brasília

14/02/2023 08h04Atualizada em 14/02/2023 13h47

Ao defender a autonomia do Banco Central (BC), o presidente da autarquia, Roberto Campos Neto, disse no programa Roda Viva, da TV Cultura, que a credibilidade da condução da política monetária é a melhor forma de ajudar o governo. "Estudos mostram que a autonomia gera menor volatilidade e nível de inflação ... A autonomia é um ganho institucional grande, que espero que não seja revertido", afirmou o presidente do BC.

Campos Neto disse que não sabe dizer o que o Congresso vai fazer sobre a reversão ou não da autonomia do BC, mas ao defendê-la, frisou que o Brasil é um dos poucos países do G-20 onde o desemprego está abaixo do nível de antes da pandemia. O presidente do BC afirmou ainda que a prioridade de sua gestão, neste momento, está no quadro de funcionários, "há muito tempo sem reajuste". "Houve greve forte em 2022 e é importante fazer algum tipo de recomposição", cobrou.

Dólar

Campos Neto também destacou na em entrevista ao Roda Viva, na noite desta segunda-feira, 13, que o BC somente faz intervenções no mercado de câmbio quando há ruptura.

"A gente só faz intervenção no câmbio quando a gente entende que tem alguma ruptura no mercado, algum problema de liquidez. O câmbio é flutuante e o fato do câmbio flutuar é importante porque essa função de absorção que ele exerce é muito importante como precificação", afirmou.

Na entrevista, Campos Neto também ressaltou que uma intervenção artificial na curva de juros pode causar consequências em outros preços de mercado, como no próprio câmbio.

Ouro

Diante da ameaça do garimpo ilegal às tribos ianomâmis, Campos Neto, disse que a autarquia gostaria de monitorar e regular melhor a venda de ouro para distribuidores de valores, os DTVMs. "É preciso mudar a lei de princípio da boa-fé para venda de ouro", defendeu o presidente do BC na entrevista. "Se mudar a lei e rastrear as operações com nota fiscal eletrônica, já melhora bastante", acrescentou. Ele assegurou que o tema do ouro é importante e a mudança da lei está sendo discutida com parlamentares.

Americanas

Na entrevista, o presidente do BC disse, ainda, que a autarquia está monitorando o efeito da crise da Americanas sobre o crédito na ponta. No entanto, afirmou não ver no caso um risco estrutural, apesar dos "soluços" na disponibilidade de crédito. "Isso afeta de forma estrutural o crédito para frente? Estive hoje (ontem, segunda-feira) reunido com CEOs de bancos e eles dizem que não afeta nem a distribuição de produtos nem a forma como veem o crédito", declarou. Campos Neto lembrou que os bancos já fizeram "provisão grande" nos balanços contra o risco de calote da Americanas.