PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Mantega reduz previsão de crescimento em 2013 de 3% para 2,5%

Do UOL, em São Paulo

23/08/2013 10h09Atualizada em 23/08/2013 10h41

A previsão de crescimento da economia brasileira neste ano será cortada de 3% para 2,5%, disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em entrevista à Globonews nesta quinta-feira (22). O anúncio oficial deve ser feito nos próximos dias, segundo Mantega.

Questionado se essa estimativa é ainda muito otimista, o ministro disse que o governo tem que estabelecer metas e persegui-las.

"Eu tenho que ser um pouco mais ambicioso, porque é possível, a economia brasileira tem as condições para isso, então, não é algo fantasioso", disse.

"A economia brasileira tem hoje condições de crescer 3%, 4%", disse Mantega. Esse potencial não deve ser atingido, segundo o ministro, devido à crise internacional, que prejudica as exportações brasileiras, e ao dólar. "Com isso, nós vamos crescer menos do que o nosso potencial, mas dá para crescer 2,5%. Num período de crise internacional, eu acredito que é um bom desempenho."

Pão, carro e novela entram na conta; clique na imagem abaixo e entenda

  • Raphael Salimena/UOL

Governo já tinha reduzido previsão, que começou em 4,5%

O governo já tinha reduzido suas contas sobre a expansão brasileira em 2013. A primeira previsão era de crescimento de 4,5% e, após inúmeros estímulos dados --como corte de tributos da folha de pagamento das empresas e de incentivos ao consumo--, a economia não decolou e a projeção foi rebaixada para 3,5% em abril.

Em julho, e já enfrentando os efeitos de uma crise de confiança dos agentes econômicos, a área econômica voltou a piorar a estimativa, reduzindo-a para 3%

Em entrevista à agência de notícias Reuters, em meados de julho, o ministro Guido Mantega tinha indicado que essa projeção poderia cair ainda mais: disse que a economia poderia crescer entre 2,5% e 3% em 2013.

FMI, indústria, Banco Central e mercado esperam PIB ainda menor

No começo de julho, o FMI (Fundo Monetário Internacional) reduziu a previsão de crescimento da economia do Brasil de 3% para 2,5%. Em abril, a entidade já havia rebaixado a estimativa para o PIB de 3,5% para 3%.

Ainda assim, a previsão do FMI é maior do que a das instituições financeiras consultadas pelo BC para o Boletim Focus. Os analistas entrevistados falam em expansão de 2,21%.

Confederação Nacional da Indústria (CNI) também reduziu, no começo de julho, a previsão de crescimento da economia brasileira para 2%.

Ainda na onda de pessimismo com a economia do país, no fim de junho, o Banco Central rebaixou sua estimativa de alta do PIB: cortou de 3,1% para 2,7%. 

Brasil cresceu 0,6% no primeiro trimestre

A economia brasileira cresceu 0,6% no primeiro trimestre de 2013 em relação ao trimestre anterior. Em relação ao primeiro trimestre de 2012, o crescimento foi de 1,9%. Em valores correntes, o PIB alcançou a marca de R$ 1,11 trilhão.

Os dados vieram abaixo do crescimento esperado pelo mercado (0,9%). Nos últimos meses, o governo não tem feito previsões sobre os indicadores econômicos para evitar críticas.

(Com Reuters)

PUBLICIDADE