PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Grupo de Eike Batista considera fusão entre OGX e OSX, diz jornal

Do UOL, em São Paulo

07/11/2013 08h36

Uma fusão entre a petroleira OGX (OGXP3) e o estaleiro OSX (OSXB3). O grupo responsável pela reestruturação das empresas de Eike Batista considera essa possibilidade, segundo informações da Agência Estado.

A alternativa é tecnicamente possível, mas seria uma opção para os próximos meses, depois de vencida a primeira etapa da recuperação judicial (antiga concordata), informa o jornal “O Estado de S. Paulo”.

A futura fusão só será possível com a avaliação da situação das empresas, segundo o jornal, principalmente em relação a disputas judiciais.

A OSX, cujos ativos incluem um estaleiro inacabado no Porto de Açu, no norte do Rio de Janeiro, é uma das principais credoras da OGX. Quase todos os negócios da OSX dependem da OGX, uma vez que a empresa de construção naval foi criada para fornecer plataformas de produção à petroleira.

OSX deve pedir recuperação judicial

Segundo fontes de mercado, os documentos para recuperação judicial da OSX já estão prontos e o pedido junto à Justiça do Rio de Janeiro pode ocorrer a qualquer momento.

A recuperação judicial, antiga concordata, é uma opção para empresas que estão em crise, mas acreditam ter chances de sobreviver se forem acionadas algumas medidas.

  • 9886
  • true
  • http://economia.uol.com.br/enquetes/2013/07/03/voce-acredita-que-eike-batista-ira-superar-a-atual-crise-de-confianca.js

No fim da semana passada, a OSX admitiu que poderia exercer o direito legal à recuperação judicial, caso a administração da companhia considerasse a medida adequada para a continuidade dos negócios.

Procurada nesta quarta-feira (6), a OSX informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a "a recuperação judicial é uma possibilidade que a companhia está considerando, mas ainda não há definição sobre isso".

A OGX (OGXP3), que já foi a principal empresa do grupo de Eike Batista, entrou compedido de recuperação judicial nesta quarta-feira (30), depois de meses de negociação, sem acordo, com seus credores. É o maior processo de recuperação judicial já feito no Brasil.