PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Sem reformas, país terá que subir impostos 'indefinidamente', diz Guardia

Antonio Cruz/Agência Brasil
Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil

Antonio Temóteo

Do UOL, em Brasília

12/12/2018 12h10

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, voltou a afirmar nesta quarta-feira (12) que, sem a aprovação de reformas, o próximo governo pode ser obrigado a aumentar impostos. As declarações foram dadas em café da manhã com jornalistas.

"Ou enfrentamos o gasto, que cresceu excessivamente, ou aumentamos impostos indefinidamente. Tem que entender esse ponto", disse Guardia.

Na última terça-feira, o Ministério da Fazenda encaminhou à equipe de transição do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), uma série de recomendações de medidas que poderiam ser tomadas para aumentar a arrecadação, caso a reforma da Previdência não seja aprovada pelo Congresso Nacional.

Nas contas da pasta, a arrecadação extra poderia chegar a R$ 250 bilhões. Apesar das sugestões, Guardia declarou que o principal desafio do próximo governo será aprovar a reforma da Previdência.

"Se eu puder sugerir, a reforma da Previdência é o tema mais urgente que temos de focar. A questão fiscal é mais importante e não se resolve com privatização, se resolve enfrentando a questão do gasto", disse.

Barreiras no governo Temer são uma lição, diz Guardia

O ministro da Fazenda também disse que o processo de venda de estatais não é simples e relembrou que o projeto de lei que autoriza a venda da Eletrobras ainda está em debate no Congresso.

"Privatização nunca é fácil. É sempre um tema polêmico, que traz divergências e tem de ser debatido. Mas conseguimos a privatização das distribuidoras, que foi um avanço importante", afirmou.

Guardia declarou que, apesar das dificuldades, os investidores estrangeiros e as agências de classificação de risco reconhecem a mudança na política econômica brasileira.

"A percepção é muito positiva e tenho certeza de que todos acompanharão os desdobramentos do ano que vem, pois há expectativa de continuidade dessa agenda de reformas. Vamos colher os frutos disso", afirmou.

Aposentado que trabalha pode sacar FGTS todo mês?