IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Bradesco e fundos de pensão do BB e Caixa estão entre os donos da Vale

Antonio Temóteo

Do UOL, em Brasília

28/01/2019 18h26

Uma das maiores e mais importantes empresas listadas na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), a Vale é controlada por fundos de pensão, como Previ, bancos públicos e privados, como Bradesco, além de investidores estrangeiros. A companhia passa por uma das maiores crises, após o desastre ambiental em Brumadinho (MG), com o rompimento de uma barragem de rejeitos de mineração.

O principal acionista da Vale é a Litel Participações, com 20,98% das ações, uma empresa criada pelos fundos de pensão dos empregados do Banco do Brasil (Previ), da Caixa Econômica Federal (Funcef), da Petrobras (Petros) e da Cesp (Funcesp). 

Somente a Previ tem 17,55% das ações da Vale e é responsável por indicar quatro membros do conselho de administração da companhia. Entre eles estão o presidente do colegiado, Gueitiro Matsuo Genso, e o ex-ministro da Fazenda Eduardo Guardia. 

Fundos de pensão dão controle indireto ao governo

É comum em todo o mundo que fundos de pensão sejam acionistas relevantes de grandes empresas. Isso ocorre porque as entidades fechadas de previdência complementar precisam multiplicar o dinheiro que recebem dos participantes para garantir as aposentadorias futuras.

Com isso, buscam ações de companhias sólidas e que paguem dividendos (remuneração por ação) com frequência. 

Entretanto, como são fundos de pensão de empresas públicas e os dirigentes são escolhidos com o aval do presidente da República, o governo passa a ter ingerência indireta no controle da companhia.

Bradesco, BNDES e BlackRock também são acionistas

 Além dos fundos de pensão, o BNDESPar, empresa de investimentos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), é o segundo maior acionista da Vale, com 7,6%, segundo dados da própria B3. 

A Bradespar, empresa de investimentos do Bradesco, é a terceiro maior acionista individual da Vale, com 6,3%. A companhia tem dois assentos no conselho de administração da mineradora, entre eles, o do vice-presidente do colegiado, Fernando Jorge Buso Gomes. 

A gestora global de investimentos BlackRock é a quarto maior acionista da Vale, com 5,98% das ações. Além das ações negociadas na B3, a Vale possui papéis negociados na Bolsa de Valores de Nova York, conhecidos como ADRs.  

Governo tem golden share da Vale

Além do controle indireto da Vale por meio dos fundos de pensão e do BNDES, o Tesouro Nacional é dono de golden shares da Vale. Essas são ações especiais que garantem poder de veto em decisões relevantes da companhia. 

O governo pode vetar mudanças da sede da companhia, na denominação social, no objeto social relativo à exploração de jazidas minerais, na liquidação da empresa e na venda ou encerramento das atividades de exploração de minério de ferro.

Procurada, a Bradespar afirmou que não se manifestaria sobre o assunto. Em fato relevante publicado nesta segunda-feira (28), a companhia afirmou que acompanha como a decisão da Vale de suspender o pagamento de dividendos afetará os acionistas. 

A Previ informou em nota que está profundamente sensibilizada com o acidente de Brumadinho e solidária com as vítimas e familiares. "Como acionistas da Vale, estamos nos certificando de que a companhia está dando todo o suporte possível para os atingidos, bem como adotará providências para apurar os motivos do acidente", diz a nota

Veja o caminho percorrido pela lama da barragem de Brumadinho

UOL Notícias

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Economia