IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Em meia hora, ministro e Bolsonaro se contradizem sobre privatizar Correios

Guilherme Mazieiro e Bernardo Barbosa

Do UOL, em Brasília e em São Paulo

06/08/2019 11h34Atualizada em 06/08/2019 16h02

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) deram declarações divergentes sobre a privatização dos Correios, na manhã desta terça-feira (6). As falas contrárias aconteceram em um intervalo de meia hora, em eventos diferentes.

O ministro disse, em audiência na Câmara, que não há "nenhum procedimento de desestatização ou privatização da empresa pública". A declaração aconteceu por volta de 10h20.

Já Bolsonaro, pouco antes das 11h, em evento em São Paulo, disse "vamos privatizar os Correios". O presidente participa de um congresso da Fenabrave (entidade que representa concessionárias de veículo). A declaração de Bolsonaro se deu durante sua apresentação, quando viu na plateia o correligionário e deputado estadual Gil Diniz (PSL-SP), conhecido como "Carteiro Reaça".

Marcos Pontes foi convidado à Câmara para dar esclarecimentos sobre a privatização dos Correios, bandeira de campanha de Bolsonaro. A pasta de Pontes é onde está alocada a estatal. Participam da audiência o presidente dos Correios, Floriano Peixoto, funcionários e representantes dos sindicatos dos carteiros.

"O que quero trazer é que não existe nenhum processo dessa natureza. Nenhum procedimento de desestatização ou de privatização, qualquer coisa nesse sentido, para nos preocupar nesse momento", disse Pontes.

Bolsonaro já afirmou diversas vezes que pretende vender os Correios. Em abril, disse já ter autorizado a realização de estudos para a privatização da empresa. Na semana passada, o presidente declarou que a venda da estatal estava no radar.

Deputado questiona declarações divergentes

Durante a audiência, o ministro foi interpelado pelo deputado Ivan Valente (PSOL-SP) sobre as declarações contraditórias, relatadas nesta reportagem. O parlamentar quis saber qual a determinação que a empresa deve ter.

"Não sei exatamente o que ele [Bolsonaro] falou, mas estou transmitindo a informação dele de ontem. Eu gosto de fazer as coisas de uma forma muito criteriosa", disse Pontes.

O ministro declarou que não há processo de privatizar, mas defendeu que todos envolvidos nos Correios (funcionários e governo) participem das discussões caso surjam projetos ou discussões nesse sentido.

"O que temos hoje de concreto é trabalhar para que os Correios sejam sustentáveis em termos econômicos e financeiros. De concreto, é isso que a gente tem de determinação", afirmou Pontes.

Metrô e Correios têm curiosa coleção de achados e perdidos

Band Notí­cias

Economia