IPCA
0,1 Out.2019
Topo

Todos a Bordo


Se Terra fosse plana, rotas de aviões pareceriam malucas ou impossíveis

Aviões fazem caminhos que parecem malucos quando vistos no mapa, mas que fazem sentido se projetados no globo - Divulgação
Aviões fazem caminhos que parecem malucos quando vistos no mapa, mas que fazem sentido se projetados no globo Imagem: Divulgação

Vinícius Casagrande

Colaboração para o UOL, em São Paulo

10/08/2019 04h00

Algumas rotas aéreas podem parecer completamente malucas quando o caminho percorrido pelos aviões é visto em um mapa plano.

Ao fazer a projeção da mesma rota sobre o globo, o caminho mais curto entre dois pontos do planeta pode ser completamente diferente daquele traçado em linha reta sobre o mapa-múndi. Na projeção sobre o globo, esse caminho passa a fazer sentido.

Os defensores do conceito de Terra plana adotam até mesmo outro tipo de mapa, no qual o planeta é um gigantesco disco circundado por uma barreira de gelo, que seria a Antártida. Seja nesse mapa alternativo ou no mapa-múndi tradicional, se a Terra fosse plana, seria impossível os aviões fazerem o caminho que realizam na prática.

Pôster do filme Terra Plana mostra como seria o mapa se o planeta tivesse o formato de um disco - Divulgação
Pôster do filme Terra Plana mostra como seria o mapa se o planeta tivesse o formato de um disco
Imagem: Divulgação

Alguns exemplos são rotas como Buenos Aires (Argentina) a Auckland (Nova Zelândia), Santiago (Chile) a Melbourne (Austrália), Nova York (EUA) a Tóquio (Japão) ou Dubai (Emirados Árabes Unidos) a San Francisco (EUA).

Da América do Sul à Oceania

Os voos que partem de Buenos Aires e de Santiago em direção à Oceania seguem em direção ao sul após a decolagem, passando próximo à Antártida até pegar o rumo norte em direção à Nova Zelândia.

Avião vai até o extremo sul da Argentina, passa próximo à Antártida até chegar à Nova Zelândia - Reprodução
Avião vai até o extremo sul da Argentina, passa próximo à Antártida até chegar à Nova Zelândia
Imagem: Reprodução

Se a Terra fosse plana, seria impossível fazer esse caminho. Considerando o mapa adotado pelos defensores do conceito de Terra plana, os aviões simplesmente bateriam na grande parede de gelo que existiria nas bordas do planeta.

Voo de Buenos Aires a Auckland decola rumo ao sul - Reprodução
Voo de Buenos Aires a Auckland decola rumo ao sul
Imagem: Reprodução

Rotas "malucas"

Ao olhar o caminho dos aviões em um mapa-múndi, algumas rotas parecem ser simplesmente malucas, e não só para os defensores da Terra plana.

Um exemplo clássico pode ser visto em um voo de Dubai a San Francisco, na Califórnia. Ao olhar o mapa, seria natural imaginar que o avião decolaria com sentido ao noroeste, passaria pelo norte da África, cruzaria o oceano Atlântico e os Estados Unidos.

Rota entre Dubai e San Francisco projetada sobre um mapa plano - Reprodução
Rota entre Dubai e San Francisco projetada sobre um mapa plano
Imagem: Reprodução

Na prática, porém, o avião faz um caminho completamente diferente. Decola em direção ao norte, passa por Irã, Cazaquistão e Rússia até cruzar o oceano Ártico. Nesse ponto, o avião passa a voar em direção ao sul, já no hemisfério oeste. Ele cruza o Canadá de norte a sul e, finalmente, entra nos Estados Unidos, já na costa oeste do país.

A diferença entre a rota que se imagina ao olhar o mapa-múndi e a real executada pelos aviões é de mais de 2.500 quilômetros.

Projeção da rota sobre o globo mostra uma linha reta do caminho mais curto entre Dubai e San Francisco - Reprodução
Projeção da rota sobre o globo mostra uma linha reta do caminho mais curto entre Dubai e San Francisco
Imagem: Reprodução

Outro exemplo é um voo de Nova York a Tóquio. Nesse caso, seria natural imaginar que o avião cruzaria os Estados Unidos e o oceano Pacífico para chegar ao extremo oeste do planeta e ao Japão.

Na prática, o avião decola rumo ao norte, cruza o Canadá até o oceano Ártico, quando passa a voar no sentido sul até o Japão. Esse trajeto é cerca de 2.000 quilômetros mais curto.

Voo decola de Nova York rumo ao norte para cruzar o oceano Ártico e chegar ao Japão - Reprodução
Voo decola de Nova York rumo ao norte para cruzar o oceano Ártico e chegar ao Japão
Imagem: Reprodução

Rota entre Nova York e Tóquio vista em um mapa plano - Reprodução
Rota entre Nova York e Tóquio vista em um mapa plano
Imagem: Reprodução

Vídeos mostram o pouso em aeroportos com vistas incríveis

UOL Notícias

Todos a Bordo