PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Parcelar gasolina e supermercado no cartão pode te afundar em dívidas

Antonio Temóteo

Do UOL, em Brasília

10/02/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Especialistas afirmam que combustível e mercado já comprometem orçamento
  • Parcelar esses itens comprados mensalmente podem criar dívida em bola de neve
  • O ideal é fazer pesquisa de preço para encontrar descontos
  • Avaliar o orçamento para encontrar gastos desnecessários é importante para evitar parcelas

Postos de combustível e supermercados têm oferecido aos clientes a possibilidade de parcelar as compras de gasolina e alimentos no cartão de crédito. O que pode parecer interessante é considerado uma armadilha por especialistas ouvidos pelo UOL.

A advogada Maria Inês Dolci, especialista em direito do consumidor, afirma que qualquer parcelamento compromete a renda familiar. E isso se torna um problema maior quando a pessoa divide compras recorrentes, como gasolina e itens de mercado.

"Se a pessoa vai ao supermercado e ao posto de gasolina a cada 15 dias, podem ser feitas até duas novas parcelas em um mês. Isso pode levar a um descontrole. Nesse caso, você cria uma dívida em bola de neve rapidamente e vira um superendividado", disse.

Cuidados extras

Maria Inês também declarou que o consumidor, antes de fazer uma compra, deve sempre avaliar se o parcelamento é viável. E por quanto tempo a renda estará comprometida com aquele compromisso.

"O que deve ser feito é pesquisa de preço dos produtos em vários estabelecimentos. O parcelamento acomoda as pessoas a não buscarem preços melhores. Isso pode destruir a vida financeira do consumidor", afirmou.

O professor de finanças Ricardo Rocha, da escola de negócios Insper, afirmou que alimentos e combustível são itens de consumo imediato e já comprometem parte significativa dos orçamentos familiares, mesmo quando são pagos à vista.

Dívida em bola de neve

"Se esses itens são pagos com cartão de crédito e parcelados, isso já sinaliza que o orçamento familiar está com sérios problemas. É essencial revisitar o orçamento na ponta do lápis para identificar os gastos que podem ser cortados para equilibrar a vida financeira", declarou Rocha.

O professor de finanças também declarou que nos primeiros meses do ano, quando o orçamento familiar é pressionado com o pagamento de impostos como IPVA e IPTU, além de material escolar para filhos, a opção de parcelar o mercado e o combustível pode ser atraente.

Para ele, o ideal é que as famílias façam uma poupança ao longo do ano para pagar essas obrigações anuais e não precisem recorrer a diferentes tipos de parcelamento que vão criar dívidas em bola de neve.

O UOL procurou a Abras (Associação Brasileira de Supermercados) e a Fecombustíveis (Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes) para comentarem, mas as entidades não se manifestaram.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Entenda o que é o spread bancário e a relação com os juros que você paga

UOL Notícias