PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Governo gastou menos de 4% dos recursos destinados a ampliar Bolsa Família

Divulgação/Ministério da Cidadania
Imagem: Divulgação/Ministério da Cidadania

Anaís Motta

Do UOL, em São Paulo

28/04/2020 18h33Atualizada em 28/04/2020 18h41

Liberados há pouco mais de um mês, via medida provisória, os R$ 3,037 bilhões destinados pelo governo federal à ampliação do Bolsa Família pouco foram utilizados. Até o momento, segundo o Tesouro Nacional, apenas R$ 113,145 milhões —3,7% deste total— foram gastos pela União.

Os números constam no portal Tesouro Nacional Transparente, que monitora os gastos do governo com ações de combate ao novo coronavírus. As informações são atualizadas diariamente e qualquer pessoa pode acessá-las.

A expansão do Bolsa Família foi anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Twitter em 23 de março. A ideia era contemplar mais 1,5 milhão de famílias no programa, "praticamente zerando a fila de requerentes".

Segundo cálculos do Ministério da Cidadania, os recursos disponibilizados atenderiam 1,2 milhão de famílias, um pouco menos do que o anunciado pelo presidente.

O Bolsa Família atende aqueles que vivem em extrema pobreza, com renda per capita de até R$ 89 mensais, e em pobreza, com renda entre R$ 89,01 e R$ 178 mensais por indivíduo. O benefício médio pago a cada família, segundo a Agência Câmara de Notícias, é de aproximadamente R$ 189.

Despesas totais com a epidemia

Até o momento, o governo federal gastou R$ 58,6 bilhões com ações de combate à covid-19 —pouco mais de 23% dos R$ 253 bilhões liberados pelo Tesouro Nacional.

O Ministério da Cidadania, que coordena a distribuição do auxílio emergencial de R$ 600, é responsável pela maior parte desses gastos: R$ 34,7 bilhões. Os ministérios da Economia e da Saúde vêm logo atrás, com R$ 18 bilhões e R$ 5,4 bilhões, respectivamente.

Entre as ações que exigiram maior investimento está justamente o pagamento do auxílio emergencial, que já custou R$ 34,6 bilhões aos cofres públicos. Outros R$ 17 bilhões foram utilizados para o financiamento da folha salarial de empresas.