PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Carrefour é desligado de Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial

Ato em frente a uma loja do Carrefour em Curitiba, após a morte de João Alberto Silveira Freitas - Luis Pedruco/Futura Press/Estadão Conteúdo
Ato em frente a uma loja do Carrefour em Curitiba, após a morte de João Alberto Silveira Freitas Imagem: Luis Pedruco/Futura Press/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

20/11/2020 21h01Atualizada em 30/11/2020 10h05

Após a morte de João Alberto Silveira Freitas em uma loja de Porto Alegre (RS), o Carrefour foi desligado da Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial, que reúne 73 organizações signatárias. Em nota, o coordenador da plataforma expressou "profunda repulsa" ao caso e chamou de "criminoso" um ambiente onde um cliente entra para fazer uma compra e sai morto.

"Repudiamos com todas as nossas forças o assassinato do cidadão negro João Alberto Silveira Freitas por seguranças do supermercado Carrefour, na cidade de Porto Alegre", disse Raphael Vicente. "São coniventes todos aqueles que se omitiram e não tomaram as medidas para que essa morte fosse evitada, inclusive os que se calam".

A empresa, ainda segundo o comunicado, seguirá desligada por tempo indeterminado de suas atividades na Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial.

A plataforma é composta por representantes da sociedade civil, do ambiente empresarial e do poder público, englobando 73 organizações com receita conjunta de R$ 1,2 trilhão no Brasil. É uma iniciativa que busca articulação entre empresas comprometidas em buscar um desempenho significativo na abordagem da temática étnico-racial, bem como assegurar a elas alguma vantagem competitiva.

Entenda o caso

João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, morreu na noite de ontem após ser agredido por dois seguranças — um deles policial militar temporário, fora de serviço — no supermercado Carrefour, na zona norte de Porto Alegre, às vésperas do feriado da Consciência Negra. Os agressores foram presos, suspeitos de homicídio doloso.

A vítima teria discutido com a caixa do estabelecimento e foi conduzida pelos segurança da loja até o estacionamento, no andar inferior. Durante o percurso, acompanhado por uma funcionária do Carrefour, Freitas teria desferido um soco contra o PM, segundo afirmou a trabalhadora, em depoimento à polícia.

"A partir disso começou o tumulto, e os dois agrediram ele na tentativa de contê-lo. Eles (o PM e o segurança) chegaram a subir em cima do corpo dele, colocaram perna no pescoço ou no tórax", disse o delegado plantonista Leandro Bodoia. A cena vem sendo comparada nas redes sociais ao que aconteceu com George Floyd, que morreu sufocado por policiais nos Estados Unidos.