PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Dinheiro esquecido: 81% das consultas não apresentaram saldo em contas

Oito em cada dez consultas realizadas não encontraram saldo em contas - Reprodução
Oito em cada dez consultas realizadas não encontraram saldo em contas Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

14/02/2022 23h06Atualizada em 15/02/2022 09h47

No primeiro dia de funcionamento, 81% das consultas feitas no SVR (Sistemas de Valores a Receber) não encontraram dinheiro esquecido em bancos, segundo balanço divulgado pelo Banco Central. Os dados correspondem a operações feitas até as 18h30 desta segunda-feira (14). Ao todo, 37.335.857 consultas foram realizadas pelo site da instituição.

Segundo o BC, 36.526.974 fizeram a consulta através do CPF — destas 29.592.071 não deixaram valores para trás; já 6.934.903 encontraram algum saldo.

Em relação a consultas feitas por PJs (pessoas jurídicas), através do CNPJ, o Banco Central informou que 737.729 não encontraram nada em contas antigas e 71.154, acharam saldo esquecido.

O BC informa que haverá uma próxima fase de liberação de dados em que novos valores serão disponibilizados. Assim, quem consultou a ferramenta e viu que o saldo estava zerado poderá ter mais uma chance a partir de maio. Nesta primeira fase, foram liberados cerca de R$ 4 bilhões para consulta, mas o BC estima haver R$ 8 bilhões a serem devolvidos a pessoas físicas e jurídicas.

O site para consulta havia sido anunciado ainda em janeiro, mas a novidade animou tanto os brasileiros que o sistema logo ficou sobrecarregado e saiu do ar, fazendo com que o BC suspendesse a operação até que o acesso fosse restabelecido.

Veja o passo a passo:

  • Acesse o site valoresareceber.bcb.gov.br;
  • Digite seu CPF ou CNPJ e a data de nascimento ou de criação da empresa para consultar se você tem valores esquecidos em bancos;
  • Se sim, guarde bem a data que o sistema vai te informar. É neste dia que você saberá o valor exato que tem a receber e solicitar a transferência, também pelo valoresareceber.bcb.gov.br.

A devolução do dinheiro poderá ser feita via Pix a partir de 7 de março. Aqueles que não tiverem ou preferirem não indicar uma chave na hora de pedir a transferência serão informados pelos respectivos bancos sobre como será feito o depósito.

Se você não conseguir acessar o site no dia indicado pelo sistema do BC, não se preocupe: volte ao valoresareceber.bcb.gov.br em outro momento e repita o processo. O sistema vai te informar uma nova data para retorno.

O dinheiro é seu e, portanto, continuará guardado pelas instituições financeiras pelo tempo que for necessário, até que você peça a devolução.

Conta gov.br

Para pedir o resgate do dinheiro, será necessário usar um login gov.br nível prata ou ouro. Caso ainda não o tenha, basta fazer um cadastro gratuito pelo site ou pelo aplicativo gov.br disponível na Google Play (Android) e na App Store (Apple).

A conta gov.br tem três níveis de confiabilidade: bronze, prata e ouro. O primeiro, mais básico, é conquistado logo quando o cidadão se cadastra na plataforma, o que normalmente acontece por meio do formulário online do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) ou da Receita Federal.

Para subir de nível e, assim, conseguir acessar e solicitar transferências no valoresareceber.bcb.gov.br, é necessário confirmar sua identidade por meio de qualquer um dos processos indicados nas plataformas gov.br. Quem quiser ir de bronze para prata, por exemplo, pode validar seus dados no próprio app, via reconhecimento facial.

  • Veja as notícias do dia, entrevista com Fernando Haddad, análises de Josias de Souza e mais no UOL News: