PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Musk funda X Holdings, possível controladora para Twitter, Tesla e SpaceX

Elon Musk - REUTERS/Mike Blake
Elon Musk Imagem: REUTERS/Mike Blake

Do UOL, em São Paulo

22/04/2022 21h51

Esta semana o bilionário Elon Musk registrou a criação de três holdings —companhias com ação majoritária em uma ou mais empresas— como possível parte de seus próximos passos na tentativa de adquirir o Twitter Inc. A X Holdings poderá incluir negócios já existentes do empresário, como a Tesla e o SpaceX. As informações são da Bloomberg.

Os novos empreendimentos foram batizados com variações do nome X Holdings e registrados em Delaware, nos Estados Unidos. Arquivos acessados pela Bloomberg indicam que Musk e investidores pretendem concentrar dinheiro em uma das entidades para fazer uma oferta grande ao Twitter. Uma subsidiária, então, seria usada para se fundir à plataforma de rede social.

Além da SpaceX e X Holdings, o bilionário batizou com X um outro domínio que comprou, o X.com, que é uma companhia de pagamentos que depois se juntou à PayPal.

Compra do Twitter

Em sua jornada rumo à compra do Twitter, Musk teve uma solicitação de US$ 43 bilhões negada esta semana. Segundo a agência de notícias Bloomberg, a Blackstone, a Vista e a Brookfield foram procuradas pelo empresário, mas rejeitaram o pedido.

De acordo com as fontes da Bloomberg, "a Vista e a Blackstone não estão interessadas em participar de nenhuma oferta potencial de Musk ou de qualquer outra parte no Twitter no momento".

A tentativa de obter crédito é apenas um dos obstáculos enfrentados pelo bilionário em sua missão de adquirir a rede social. Após ter comprado 9% das ações da empresa e ter se tornado um dos principais acionistas, cresceu o temor de interferência do bilionário nas diretrizes da companhia.

Alguns dias após a compra, ele desistiu de participar do conselho de administração do Twitter, mas em seguida propôs comprar toda a empresa por US$ 6 bilhões a mais do que o valor de mercado.

Para efetivar o negócio, porém, Musk precisaria da aprovação do Conselho, que não parece ser favorável a ele. No passado, o bilionário já atacou as políticas do Twitter sobre remoção de conteúdo da plataforma e considerou-as como ataques à liberdade de expressão.