PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Inflação diminuiu poder de compra de 90% das profissões, diz estudo da CNC

Inflação causou perda no poder de compra de 90% das profissões - Getty Images/iStockphoto
Inflação causou perda no poder de compra de 90% das profissões Imagem: Getty Images/iStockphoto

Do UOL, em São Paulo

18/05/2022 18h46

A inflação fez o salário de cerca de 90% das profissões perder o seu poder de compra, entre março de 2021 e o mesmo mês de 2022. A constatação está em um estudo feito pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo). Nesse mesmo período, inflação oficial, calculada no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), foi de 11,7%.

O cálculo comparou o salário médio nominal de admissão, que cresceu 3,6% entre março de 2021 e março de 2022, em relação à inflação do período, de 11,7%. Isso resultou em uma perda de 8,1% no poder de compra.

A pesquisa levou em consideração 140 profissões, ou 72% das pessoas no mercado de trabalho. Foram excluídas do levantamento aquelas menos relevantes em termos de número de profissionais.

A profissão mais afetada pela inflação foi a de faxineiro, com perda de 16% no poder de compra do salário. Motoristas de ônibus vêm na segunda posição, com 3,9% de perda.

Médico teve o maior aumento no poder de compra

O estudo conclui que apenas uma em cada dez profissões conseguiu aumentar seu poder de compra.

Médico clínico foi a profissão que mais teve o salário valorizado, com pouco mais de 16%, impulsionado pela demanda da pandemia.

Controlador de entrada e saída de suprimentos e de máquinas está na segunda posição entre as mais valorizadas, com 12,5%.

Profissionais do estoque (9,45), professor de nível superior na educação infantil (6,1%) e programador de sistemas de informação (4,3%) aparecem na sequência, com ganho além da inflação.