PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

De sequestro à Forbes: como indiano passou Bill Gates entre mais ricos?

Gautam Adani, o homem que mais ganhou dinheiro no mundo nos últimos dois anos - REUTERS/Rupak De Chowdhuri
Gautam Adani, o homem que mais ganhou dinheiro no mundo nos últimos dois anos Imagem: REUTERS/Rupak De Chowdhuri

Rosália Vasconcelos

Colaboração para o UOL, do Recife

21/07/2022 04h00

No início de 2022, enquanto o Ocidente e o Oriente lutavam para ampliar a vacinação e conter os casos de covid-19, dois magnatas indianos - Mukesh Ambani e Gautam Adani - disputavam o título de homem mais rico da Ásia.

Em abril, a lista da Forbes mostrou que Gautam foi mais longe e conseguiu destronar seu compatriota Mukesh (da Reliance Industries), após o fundador do grupo Adani ter mais do que duplicado seu patrimônio líquido em 2021, cotado na época em US$ 50,5 bilhões.

Mais recentemente, em meados do mês de julho, Gautam conseguiu outro feito: ele subiu mais uma posição no ranking de bilionários da Forbes e ultrapassou Bill Gates, após o dono da Microsoft anunciar uma grande doação para a Fundação Bill & Melinda Gates.

Com isso, a fortuna de Gautam, hoje em US$ 103,1 bilhões, o colocou em quarto lugar no seleto grupo dos 10 maiores bilionários do mundo, segundo a Forbes 2022. Ele também figura entre as seis pessoas do mundo com riqueza maior que US$ 100 bilhões, sendo o único centibilionário da Ásia.

De onde vem tanta riqueza?

Infraestrutura, commodities, geração e transmissão de energia e imóveis são as áreas de atuação do empresário. Outro fator que ajudou a alavancar os ganhos das empresas de Adani foi vencer o contrato de privatização do porto de Mundra, o maior porto comercial da Índia e também o mais importante ponto de importação de carvão do país.

Carvão representa mais de 40% da matriz energética da Índia e um dos grandes responsáveis pela fortuna do empresário.

O grupo liderado por Gautam ainda comanda sete aeroportos no país, incluindo o aeroporto internacional de Mumbai, o segundo mais movimentado da Índia. Na prática, ele é responsável pelo controle de 25% de todo o tráfego aéreo local.

Adani é proprietário do Abbot Point, um controverso projeto de mineração de carvão na Austrália, cuja mina Carmichael é considerada uma das maiores do mundo.

Ao todo, o grupo Adani é formado por seis empresas de capital aberto, que empregam diretamente 23 mil pessoas, cujas ações, juntas, valem mais de US$ 190 bilhões.

Entre as empresas que formam o grupo, estão Adani Enterprises, Adani Port and Special Economic Zone, Adani Power, Adani Transmissions, Adani Total Gas, Adani Green Energy e Fundação Adani.

Em termos de expansão além das fronteiras de seu país, Gautam tem aumentado a atuação em países como o Sri Lanka, com projetos para implantar um terminal portuário.

Como a Índia se tornou um importante polo tecnológico, o empresário ainda está expandindo seus investimentos em data centers.

Por que ele ganhou tanto dinheiro durante a pandemia?

Em 2016, a fortuna do magnata indiano girava em torno de US$ 3,5 bilhões. Dois anos depois, em 2018, pulou para US$ 9,7 bilhões. Em 2022, ele aumentou em mais de US$ 100 bilhões sua riqueza.

Foi quando o mundo inteiro voltou os olhos para o empresário de 59 anos, para entender como ele conseguiu esse feito.

Gautam Adani não é um homem de um negócio só. Em outras palavras, o empresário buscou construir sua riqueza diversificando seus investimentos, em setores que tradicionalmente geram altas rentabilidades, como o de energia, mineração e infraestrutura, por exemplo. Nos últimos dois anos, as ações de algumas de suas empresas chegaram a valorizar mais de 1.000%.

Nos últimos dois anos, Adani ainda passou a anunciar que planeja ser o maior produtor mundial de energia verde, com investimentos na casa dos US$ 70 bilhões em projetos de energia renovável até 2030. Nesse momento, as ações das suas empresas listadas na Bolsa da Índia dispararam.

A promessa, aliás, é uma das metas traçadas durante a COP26 por vários países, que se comprometeram a zerar as emissões de carbono nos próximos 50 anos. Caso consiga atingir o objetivo, a Índia pode vir a ser referência mundial no setor de energias limpas.

Como tudo começou?

Gautam Adani nasceu em Ahmedabad, na Índia, e é considerado um self-made man. Seu pai era um pequeno comerciante têxtil, mas Adani, que tem mais sete irmãos, optou por não administrar o negócio do seu pai. Tentou estudar Comércio na Universidade de Gujarat, seu estado -natal, mas desistiu após o segundo ano. Em seguida, foi tentar a vida em Mumbai (antiga Bombaim).

Em 1978, começou a trabalhar como classificador de diamantes para a Mahendra Brothers. Três anos depois, em 1981, Mahasukhbhai Adani, seu irmão mais velho, comprou uma empresa de plásticos e o convidou para gerenciar as operações.

Ao adquirir experiência no mercado externo, passou a importar PVC. Em 1988, fundou a Adani Exports, que hoje é conhecida como Adani Enterprises.

Duas curiosidades marcam a vida do magnata, que é casado e tem dois filhos. A primeira aconteceu em 1998, quando Adani e um amigo foram sequestrados e mantidos como reféns. Os sequestradores exigiram um resgate de US$ 2 milhões.

Em 2008, Adani novamente escapou de uma tragédia. Ele estava no Taj Mahal Palace Hotel, quando ocorreram os ataques terroristas que resultaram na morte de cerca de 160 pessoas. Gautam saiu ileso.

PUBLICIDADE
Errata: o texto foi atualizado
Diferente do que foi informado, a Universidade de Gujarat fica na cidade de Ahmedabad, que está a 487km de Mumbai (antiga Bombaim). Ahmedabad é a cidade natal de Adani. Primeiro, Gautam tentou concluir os estudos, mas desistiu e foi trabalhar em Mumbai.