IPCA
0,83 Mai.2024
Topo

Inflação de outubro: batata sobe 23% e tomate, 17%; veja maiores altas

Getty Images
Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

10/11/2022 09h22Atualizada em 10/11/2022 10h57

A inflação de 0,59% em outubro, interrompendo uma sequência de três meses seguidos de deflação, foi puxada pela alta dos preços dos alimentos. Os dados foram divulgados hoje (10) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Entre os produtos que ficaram mais caros no país, destaque para a batata, o tomate, a cebola e as frutas. Veja abaixo os itens que mais pesaram na cesta de compras dos brasileiros.

O grupo Alimentação e bebidas teve uma alta de 0,72%, após ter recuado 0,51% em setembro. Os principais destaques foram:

  • batata-inglesa (23,36%)
  • tomate (17,63%)
  • cebola (9,31%)
  • frutas (3,56%)
  • biscoito (1,34%)
  • Frango em pedaços (1,17%)
  • Refeição (0,61%)

No ano, o preço da batata acumula um salto de 48,07% e o da cebola, 78,92%. Já o do tomate ainda tem baixa de 15,31%.

Entre as quedas, o destaque foi o leite longa vida (-6,32%), que já havia recuado 13,71% em setembro, e o óleo de soja (-2,85%).

Com o resultado de outubro, a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) passou a acumula alta de 4,7% no ano e de 6,47% nos últimos 12 meses. A meta do Banco Central para a inflação neste ano é de 3,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos — ou seja, variando entre 2% e 5%.

Itens não alimentícios que mais subiram

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE, oito tiveram alta em outubro. Veja abaixo os itens não alimentícios que tiveram as maiores altas:

  • passagem aérea (27,38%)
  • plano de telefonia fixa (6,74%)
  • pacote turístico (2,32%)
  • higiene pessoal (2,28%)
  • emplacamento e licença (1,72%)
  • roupa masculina (1,70%)
  • plano de saúde (1,43%)
  • mobiliário (1,41%)
  • artigos de limpeza (1,35%)
  • etanol (1,34%)

Gasolina e diesel. O preços dos combustíveis recuaram 1,27% em outubro, mas a queda foi menor que a registrada no mês anterior (-8,50%). Gasolina (-1,56%), óleo diesel (-2,19%) e gás veicular (-1,21%) seguiram em queda, enquanto o etanol registrou alta de 1,34%.

Pesquisa da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) mostra, porém, que a gasolina subiu nos postos do país pela 4ª semana, mesmo sem reajuste da Petrobras.

Veja a variação mensal em cada um dos nove grupos pesquisados pelo IBGE:

  • vestuário: 1,22%
  • saúde e cuidados pessoais: 1,16%
  • alimentação e bebidas: 0,72%
  • transportes: 0,58%
  • despesas pessoais: 0,57%
  • habitação: 0,34%
  • artigos de residência: 0,39%
  • educação: 0,18%
  • comunicação: -0,48%
O índice de difusão, que mostra o porcentual de itens com que aumentaram de preços no mês, voltou crescer após cair em setembro, passando de 62% para 68% dos itens -- o maior desde abril (78%). "Isso mostra que a inflação não está totalmente controlada", afirmou o economista-chefe da Suno Research, Gustavo Sung.