IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

Preço de imóveis sobe 5,7% em 1 ano; veja as cidades com m² mais caro

Balneário Camboriú (SC) tem o metro quadrado mais caro do Brasil, à frente de Itapema (SC) e São Paulo (SP) - Anderson Coelho/Getty Images via iStock
Balneário Camboriú (SC) tem o metro quadrado mais caro do Brasil, à frente de Itapema (SC) e São Paulo (SP) Imagem: Anderson Coelho/Getty Images via iStock

Do UOL, em São Paulo

04/04/2023 00h01Atualizada em 04/04/2023 14h02

O preço dos imóveis novos e usados subiu 5,66% nos 12 meses encerrados em março, segundo o Índice FipeZAP.

O que aconteceu

O preço dos imóveis subiu em 49 das 50 cidades pesquisadas. Entre elas, estão todas as 16 capitais que integram o índice. A alta é um pouco maior do que a prévia da inflação acumulada no mesmo período, de 5,36%

Goiânia é a capital com maior a maior alta (17,68%) entre março de 2022 e 2023. Depois, aparecem Campo Grande (13,4%), Maceió (12,94%), Florianópolis (11,73%) e Curitiba (11,62%).

Em quatro capitais, a alta foi menor que a inflação acumulada no período. São elas: São Paulo (4,8%), Porto Alegre (2,61%), Rio de Janeiro (1,98%) e Brasília (0,06%).

Das 50 cidades pesquisadas, Canoas (RS) foi a única a registrar queda. O preço médio caiu 1,19% em 12 meses.

Só em março de 2023, preço médio subiu 0,42% em comparação com fevereiro. No mês anterior, a alta havia sido de 0,38%, ainda segundo o Índice FipeZAP.

Preço médio de venda foi de R$ 8.400/m² no mês passado. São Paulo, Vitória, Rio, Brasília e Curitiba registraram valores acima desse patamar (veja lista completa abaixo).

Veja os preços do m² de imóveis no Brasil

  • Balneário Camboriú (SC): R$ 11.876
  • Itapema (SC): R$ 11.037
  • São Paulo (SP): R$ 10.304
  • Vitória (ES): R$ 10.223
  • Florianópolis (SC): R$ 9.907
  • Rio de Janeiro (RJ): R$ 9.882
  • Itajaí (SC): R$ 9.556
  • Barueri (SP): R$ 8.849
  • Brasília (DF): R$ 8.795
  • Curitiba (PR): R$ 8.560
  • Média ponderada das 50 cidades: R$ 8.400
  • Belo Horizonte (MG): R$ 7.763
  • São Caetano do Sul (SP): R$ 7.511
  • Vila Velha (ES): R$ 7.433
  • Maceió (AL): R$ 7.349
  • Recife (PE): R$ 7.302
  • São José dos Campos (SP): R$ 6.994
  • Fortaleza (CE): R$ 6.901
  • Osasco (SP): R$ 6.857
  • Niterói (RJ): R$ 6.793
  • Porto Alegre (RS): R$ 6.551
  • Goiânia (GO): R$ 6.431
  • São José (SC): R$ 6.211
  • Manaus (AM): R$ 6.051
  • Joinville (SC): R$ 6.036
  • Santos (SP): R$ 6.020
  • Diadema (SP): R$ 5.921
  • Guarulhos (SP): R$ 5.804
  • Campinas (SP): R$ 5.760
  • São Bernardo do Campo (SP): R$ 5.689
  • Guarujá (SP): R$ 5.682
  • Salvador (BA): R$ 5.681
  • Blumenau (SC): R$ 5.629
  • João Pessoa (PB): R$ 5.607
  • Campo Grande (MS): R$ 5.493
  • Praia Grande (SP): R$ 5.203
  • Jaboatão dos Guararapes (PE): R$ 5.102
  • Caxias do Sul (RS): R$ 4.921
  • Canoas (RS): R$ 4.887
  • São José do Rio Preto (SP): R$ 4.789
  • Santa Maria (RS): R$ 4.690
  • Novo Hamburgo (RS): R$ 4.623
  • Contagem (MG): R$ 4.482
  • Londrina (PR): R$ 4.438
  • Ribeirão Preto (SP): R$ 4.421
  • São José dos Pinhais (PR): R$ 4.409
  • São Leopoldo (RS): R$ 4.376
  • São Vicente (SP): R$ 4.144
  • Pelotas (RS): R$ 4.095
  • Betim (MG): R$ 3.611

O índice é calculado pela Fipe com base em informações de anúncios de apartamentos prontos em 50 cidades brasileiras.