IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

Rússia suspende embargo de carne bovina do Brasil, diz Itamaraty

Bandejas de carne bovina em geladeira de supermercado - Arquivo - luoman/Getty Images
Bandejas de carne bovina em geladeira de supermercado Imagem: Arquivo - luoman/Getty Images

Do UOL, em Brasília

07/04/2023 10h24Atualizada em 07/04/2023 11h41

O governo federal anunciou nesta sexta-feira (7) que a Rússia acabou com o embargo à carne bovina brasileira. A medida "representa a plena normalização do comércio do produto com a Rússia", diz o Ministério das Relações Exteriores em nota.

O que aconteceu?

Boi do Pará. Em 1º de março, a Rússia suspendeu a importação de carne bovina proveniente de animais com mais de 30 meses de idade oriundos do Pará.

Mal da "vaca louca". A restrição foi imposta por causa do registro de caso de EEB (Encefalopatia Espongiforme Bovina) atípica no Pará, diz o ministério. A doença é conhecida como "mal da vaca louca".

Caso isolado. A doença registrada neste ano foi um caso isolado. Por isso, a expectativa do mercado era de que o embargo durasse menos tempo que a crise de 2021.

Reabertura de mercados. O anúncio da Rússia se soma à recente reabertura do mercado das Filipinas, em 28 de março, e de outros mercados, informa o governo. O Itamaraty acrescenta que está atuando "desde a ocorrência do caso de EEB para evitar fechamentos indevidos de mercados".

Exportação relevante. Rússia e Filipinas são países estratégicos para o mercado brasileiro. Em 2022, as exportações de carne bovina para a Rússia somaram cerca de US$ 165 milhões — equivalente a 24 mil toneladas do produto. Já as Filipinas são o sexto destino do produto e a venda de carne bovina somou US$ 275 milhões (61 mil toneladas) no ano passado.

Diferentemente da forma clássica da enfermidade - conhecida como "mal da vaca louca" -, a forma atípica é de ocorrência natural e espontânea no rebanho bovino, não representa risco à saúde pública e tampouco justifica restrições à importação, conforme diretrizes da Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA)
Comunicado do Ministério das Relações Exteriores em 7 de abril de 2023