IPCA
0,26 Set.2023
Topo

Aluguel de celular: Veja como o serviço funciona e se vale a pena para você

Aluguel é indicado para quem precisa de celular de ponta, mas não pode pagar pelo aparelho à vista - Getty Images
Aluguel é indicado para quem precisa de celular de ponta, mas não pode pagar pelo aparelho à vista Imagem: Getty Images

Beatriz Capirazi

Colaboração para o UOL, de São Paulo

15/05/2023 04h00

Quem faz questão de andar sempre com um celular de última geração tem uma opção que pode ser vantajosa: em vez de comprar, é possível alugar o smartphone. Veja como funciona o serviço e se vale a pena para você.

Como funciona?

Também chamado de assinatura de celular, o serviço na prática funciona como um aluguel. O assinante pode escolher smartphones novos ou usados de marcas como Apple, Samsung e Xiaomi. O valor varia de acordo com o modelo e marca desejados.

Os aparelhos são alugados por 12 meses. O pagamento pode ser feito mensalmente, por cobrança recorrente no cartão de crédito, ou em parcela anual única, que pode ser por Pix. O cliente também é submetido a uma análise de risco. Essa é uma forma de as empresas que alugam os telefones se prevenirem contra fraudes.

Ao final do período, o cliente tem algumas opções:

  • Renovar a assinatura e continuar com o mesmo aparelho
  • Trocar por um modelo mais novo
  • Devolver o aparelho sem custos

Quanto custa?

O UOL consultou três empresas que prestam o serviço: Allu, Leapfone e Triim. Veja quanto custa o aluguel de um iPhone 13, com 128 GB, em cada uma delas. O preço de venda do mesmo modelo, novo, no comércio está em torno de R$ 4.300 à vista.

  • Allu: R$ 212 por mês (R$ 2.547 por ano)
  • Triim: R$ 214 por mês (R$ 2.579,99 por ano)
  • Leapfone: R$ 289 por mês (R$ 3.468 por ano)

Nos três casos, os celulares são usados e em bom estado, segundo as empresas. Na Allu e na Triim, a assinatura não inclui seguro. Na Leapfone, o aluguel inclui proteção contra roubo e quedas,e o aparelho vem com capinha, película e carregador.

A oferta de aparelhos e preços varia de acordo com a empresa. A Allu trabalha só com iPhones, incluindo modelos mais caros; a Triim oferece iPhones e a linha Galaxy S23, da Samsung; a Leapfone oferece modelos de outras marcas como Motorola e Xiaomi.

Há modelos mais simples que podem ser alugados por R$ 59 ao mês (R$ 708 por ano). É o caso do Samsung Galaxy A12, na Leapfone. O mesmo modelo, novo, é vendido por cerca de R$ 1.000 no comércio.

O modelo mais caro para alugar é o Samsung S23 Ultra com 512 GB. A mensalidade sai por R$ 450,43 (R$ 5.405,19 por ano), na Triim. O modelo é encontrado à venda por R$ 7.799 em lojas online.

Vale a pena?

O aluguel compensa para quem faz questão de andar com um celular de última geração, dizem especialistas. Esse consumidor costuma trocar de celular uma vez por ano e, geralmente, revende o aparelho antigo para pagar o novo.

Um iPhone 13 novo, hoje, custa R$ 4.300 à vista ou R$ 4.765, em 10 parcelas de R$ 476,50, na loja brasileira da Amazon. Ao alugar um aparelho, o consumidor paga menos mensalmente, mas, em contrapartida, não é dono do aparelho.

A assinatura sempre tem um valor anual menor do que o valor de um aparelho parcelado em 10 ou 12 vezes.
Juliana Inhasz, do Insper

Do ponto de vista estritamente financeiro, porém, o aluguel não compensa. "Ao final, o consumidor terá desembolsado o valor de um item, sem, de fato, ter a posse dele", diz Ricardo Teixeira, coordenador do MBA em gestão financeira da FGV.

Para quem tem a vida financeira mais estabilizada, a compra a prazo é uma opção melhor.
Ricardo Teixeira, da FGV