Conteúdo publicado há 28 dias

Secretaria do Consumidor pede que Gol dê esclarecimentos sobre morte de cão

A Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, notificou nesta terça-feira (24) a companhia aérea Gol a prestar esclarecimentos após a morte do cachorro Joca durante o transporte aéreo.

O que aconteceu

Esclarecimentos devem ser respondidos em até dois dias após recebimento do documento. Wadih Damous, secretário nacional do consumidor, disse que "uma situação dessa necessita de apuração em detalhes e não pode passar em branco". "Não podemos aceitar que tais situações continuem acontecendo", acrescentou.

Órgão pede explicações sobre a metodologia e a política de transporte de animais feita pela empresa. Além disso, a Senacon pede informações sobre os procedimentos de reparação que a companhia pode tomar neste caso. Na terça-feira (23), a Gol suspendeu o serviço a venda do serviço de transporte de animais por 30 dias até a conclusão da investigação sobre a morte do cachorro Joca.

Senacon também fez pedido para a Anac. Ela solicitou que Agência Nacional de Aviação Civil participe e acompanhe todos os procedimentos que serão abertos na agência sobre o caso. O Ministério de Portos e Aeroportos e a Anac irão investigar o episódio.

Secretário destaca importância de se apurar o caso. Segundo a Senacon, o número de pets transportados em aviões é elevado no Brasil, portanto, investigar possíveis maus-tratos ou descumprimentos de normas de saúde e segurança animal é fundamental.

Não só para elucidar os fatos, mas, também, para garantir que sejam transportados com segurança por todo o trajeto. E, por todas essas razões elencadas, recomendaremos à Anac que regulamente o transporte de animais de estimação e vamos solicitar também a participação da Senacon na redação da resolução.
Wadih Damous, secretário nacional do consumidor

Anac não regulamentou transporte aéreo de animais. A única exceção é com relação a cão-guia, na qual existe uma resolução que prevê que o animal seja colocado junto ao passageiro com visão comprometida.

Atualmente, cada empresa aérea tem uma regra para transporte dos animais, especificando o tamanho e peso, na cabine ou no compartimento de carga do avião. Cabe às empresas informarem previamente quais as suas normas e condições necessárias para o transporte, de modo a garantir a segurança dos passageiros, tripulantes e dos pets.

A reportagem tenta contato com a Gol para saber se a empresa já foi notificada. O texto será atualizado tão logo haja manifestação.

Continua após a publicidade

Medida foi tomada após morte de cão

Cachorro da raça Golden Retriever, de 4 anos, morreu durante uma falha no transporte aéreo feito pela empresa nesta segunda-feira (22).

O animal deveria ser levado do Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP) para Sinop (MT), onde seu tutor o aguardava, mas foi parar em Fortaleza. Após a constatação do erro no destino do animal, ele retornou a Guarulhos, mas chegou morto ao aeroporto em São Paulo.

Família acusa a Gol de negligência. Em vídeo divulgado nas redes sociais, Marcia Martin, mãe de João Fantazzini, tutor do animal, diz que a empresa não chamou nenhum veterinário para avaliar o cão. A família também diz que Joca teria sido deixado dentro do canil, na pista, sob o sol.

Olha aqui, cachorro do meu filho, saiu para ir para Sinop, um irresponsável enviou ele para Fortaleza, não contente, mandaram de voltar sem nenhuma avaliação de um veterinário, o cachorro está aqui dentro, morto. Eles mataram um Golden de 4 anos.
Marcia Martin

Tutor desabafou e disse que cão foi assassinado. "O meu amor foi assassinado, minha melhor escolha, amor da minha vida. Você foi muito novo. Eu me lembro do dia que eu te peguei e a nossa conexão foi momentânea. Meu filho, me perdoa por ter sido egoísta de querer você ao meu lado. Você é o amor da minha vida para sempre. Minha saudade vai ser diária. Saudades de dar a sua maçã toda manhã, levar você para a piscina e de cuidar de você diariamente. Obrigado por tudo meu companheiro", escreveu João em postagem no Instagram.

Continua após a publicidade

'Falha operacional', diz Gol

Em nota, a Gol admitiu que houve "uma falha operacional" no transporte do animal e disse lamentar o ocorrido. A empresa também afirmou que o cão recebeu cuidados, mas, "infelizmente, logo após o pouso do voo em Guarulhos, vindo de Fortaleza, fomos surpreendidos pelo falecimento do animal".

Gol também disse que instaurou sindicância interna para apurar o ocorrido. "A Companhia está oferecendo todo o suporte necessário ao tutor e a apuração dos detalhes do ocorrido está sendo conduzida com prioridade total pelo nosso time. Nos solidarizamos com o sofrimento do tutor do Joca. Entendemos a sua dor e lamentamos profundamente a perda do seu animal de estimação".

Veja a íntegra da nota da Gol:

A GOL lamenta profundamente o ocorrido com o cão Joca e se solidariza com a dor do seu tutor. A Companhia informa que o cão Joca deveria ter seguido para Sinop (OPS), no voo 1480 do dia 22/04, a partir de Guarulhos (GRU), porém, por uma falha operacional o animal foi embarcado em um voo para Fortaleza (FOR).

Continua após a publicidade

Assim que o tutor chegou em Sinop, foi notificado sobre o ocorrido e sua escolha foi voltar para Guarulhos (GRU) para reencontrar o Joca.

A equipe da GOLLOG na capital cearense desembarcou o Joca e se encarregou de cuidar dele até o embarque no voo 1527 de volta para Guarulhos (GRU). Neste período, foram enviados para o tutor registros do Joca sendo acomodado de volta na aeronave. Infelizmente, logo após o pouso do voo no aeroporto de Guarulhos (GRU), vindo de Fortaleza, fomos surpreendidos pelo falecimento do animal.

A Companhia está oferecendo todo o suporte necessário ao tutor e a apuração dos detalhes do ocorrido está sendo conduzida com prioridade total pelo nosso time. Nos solidarizamos com o sofrimento do tutor do Joca. Entendemos a sua dor e lamentamos profundamente a perda do seu animal de estimação.

Deixe seu comentário

Só para assinantes