ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

TST impõe derrota à Petrobras em ação que pode gerar perda de R$ 17 bilhões

Paulo Whitaker/ Petrobras
Imagem: Paulo Whitaker/ Petrobras

Ricardo Brito

Brasília

21/06/2018 20h29

Em uma manifestação de desempate, o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Brito Pereira, votou na noite desta quinta-feira (21) para impor uma derrota para a Petrobras em um processo que discute a forma de pagamento de uma verba salarial e que pode resultar em perda bilionária à estatal.

A derrota pode significar perdas de até R$ 17 bilhões para a Petrobras, conforme estimativa de uma fonte da empresa apresentada à Reuters.

Leia também: 

A causa se refere à política remuneratória pela companhia desde 2007 a seus empregados, com a adoção da Remuneração Mínima de Nível e Regime (RMNR).

Brito Pereira deu o décimo terceiro voto a favor da tese defendida pelos representantes dos empregados, pela exclusão da base de cálculo da RMNR de pagamentos adicionais relacionados a regimes especiais de trabalho, como adicional noturno e periculosidade.

Com essa tese prevalecente, a Petrobras pode ser obrigada a ter de complementar uma quantia maior para que a RMNR seja atingida.

A Petrobras e a Advocacia-Geral da União (AGU) haviam defendido a tese de que esses pagamentos de adicionais deveriam ser incluídos pela estatal na base de cálculo da RMNR. Essa é a prática que a estatal tem adotado desde o primeiro acordo coletivo assinado com a categoria.

A defesa da estatal, que contava nos bastidores com uma vitória no julgamento, deverá recorrer ao próprio tribunal a fim de tornar claro o resultado do julgamento, com embargos de declaração, e ao Supremo Tribunal Federal, tentando reverter a decisão do TST no mérito, segundo uma fonte afirmou à Reuters durante a semana.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia