IPCA
0.01 Jun.2019
Topo

Reforma da Previdência


De olho nos votos para Previdência, governo intensifica esforço para organizar base

Maria Carolina Marcello

2019-03-12T11:34:49

12/03/2019 11h34

BRASÍLIA (Reuters) - O governo do presidente Jair Bolsonaro reforçou a atuação para organizar a base de apoio e garantir os votos necessários para a aprovação da reforma da Previdência, em meio a cobranças de parlamentares insatisfeitos.

Bolsonaro reuniu-se no fim de semana com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que tem assumido cada vez mais um protagonismo nas negociações em torno da reforma e participado ativamente de conversa com líderes, dirigentes de partidos e governadores nessa tentativa de articulação.

O presidente da Câmara também está por trás das conversas para a indicação de Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) para a liderança da maioria na Câmara, segundo duas fontes, o que ajudaria na organização da base. A indicação do parlamentar, que já liderou a bancada governista na gestão do ex-presidente Michel Temer e é tido como um bom articulador nos bastidores, poderia trazer partidos do centro para a base de forma mais consistente. O anúncio deve ocorrer ainda nesta semana.

Em uma outra frente, o governo liberou cerca de R$ 1 bilhão em emendas parlamentares, inclusive para a oposição. A notícia veio à tona em reunião de líderes na noite da segunda-feira (11), na residência oficial do presidente da Câmara, onde foi anunciada pelo líder do governo na Casa, Major Vitor Hugo (PSL-GO).

Resta saber se o movimento será suficiente para conter a insatisfação entre congressistas, sendo que até mesmo aliados do governo reconhecem a desarticulação da base. Também pesam nessa equação críticas ao projeto da reforma --principalmente relacionadas às mudanças em benefícios assistenciais e na aposentadoria rural-- e a ansiedade em torno do envio do projeto com novas regras para a aposentadoria para militares.

Líderes já avisaram que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), primeiro colegiado a analisar a Proposta de Emenda à Constituição sobre a Previdência, só votará a admissibilidade da PEC quando o projeto dos militares chegar ao Congresso. A comissão deve ser instalada na quarta-feira.

Uma PEC precisa dos votos de pelo menos 308 dos 513 deputados em dois turnos de votação. Pouco antes do Carnaval, estimativas "otimistas" calculavam cem votos favoráveis à proposta, enquanto uma abordagem mais "realista" calculava esse número em 80 votos.

Entenda a proposta de reforma da Previdência em 10 pontos

UOL Notícias

Mais Reforma da Previdência