IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Ação da Kroton desaba após resultado aquém do esperado, alta em taxa de evasão

14/08/2019 11h28

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - As ações da Kroton chegaram a recuar 7% na bolsa paulista nesta quarta-feira, liderando as perdas do Ibovespa, após balanço do segundo trimestre, com resultados aquém das expectativas, bem como aumento na taxa de evasão dos alunos no período.

O grupo reportou lucro líquido ajustado de 266,7 milhões de reais no segundo trimestre, queda de 44,2% em relação ao mesmo período do ano passado, o que atribuiu a despesas com aquisição da Somos e depreciação de investimentos nos últimos anos.

Entre abril e junho, lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) totalizou 624,8 milhões de reais, queda de apenas 4,3%, enquanto a margem Ebitda caiu de 42,8% para 35,9%.

Analistas esperavam, em média, lucro líquido de 301 milhões de reais e Ebitda de 733,5 milhões de reais, conforme dados da Refinitiv.

Às 11:24, os papéis cediam 5,74%, a 12,16 reais, após caírem 7,05%, a 11,99 reais, na mínima da sessão. O Ibovespa cedia 1,86%.

No final de junho, a Kroton apresentava uma base de 888,37 mil alunos no ensino superior, sendo 361,42 mil no presencial e 526,95 mil no ensino à distância (EAD). Um ano antes, eram 936,89 mil, 393,50 mil e 543,39 mil, respectivamente.

A taxa de evasão na graduação aumentou para 6,8% no segmento presencial, contra 5% um ano antes, e para 8,3% no EAD, ante 6,5% no segundo trimestre de 2018.

"A manutenção de um alto nível de desemprego e a lenta recuperação econômica também contribuem para pressionar os indicadores de evasão", destacou a Kroton no material do balanço.

A provisão para créditos de liquidação duvidosa (PCLD) total do ensino superior também subiu, apresentando alta de 0,8 ponto percentual em relação ao mesmo período do ano anterior, para 13,1% da receita líquida.

Embora tenha destacado positivamente o crescimento do ticket médio do ensino superior no trimestre, de 6,7% no segmento presencial e de 5% no EAD, a analista do UBS Maria Tereza Azevedo considerou os números fracos, ressaltando uma perspectiva ainda desafiadora para o segmento de educação.

Economia