PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Chinesa Modern Land deixa de pagar bônus e aumenta receios sobre setor imobiliário

Incorporadora Modern Land deixou de fazer um pagamento de título, aumentando preocupações sobre o impacto mais amplo da crise da dívida no gigante China Evergrande Group - Olivier Le Moal/iStock
Incorporadora Modern Land deixou de fazer um pagamento de título, aumentando preocupações sobre o impacto mais amplo da crise da dívida no gigante China Evergrande Group Imagem: Olivier Le Moal/iStock

Donny Kwok e Andrew Galbraith

26/10/2021 08h16Atualizada em 26/10/2021 16h39

A Modern Land deixou de fazer um pagamento de título, a mais recente incorporadora chinesa a não cumprir compromissos, aumentando preocupações sobre o impacto mais amplo da crise da dívida no gigante China Evergrande Group e arrastando ações do setor.

Estava previsto que o planejador estatal da China se encontraria com empresas imobiliárias com grandes dívidas denominadas em dólares nesta terça-feira para fazer um balanço de seu volume total de emissão e capacidade de reembolso, em meio à crescente preocupação com liquidez.

A Modern Land (China) Co Ltd disse em comunicado que não havia pagado o principal e os juros de suas notas seniores de 12,85% que venceram na segunda-feira devido a "problemas inesperados de liquidez".

O pagamento perdido ocorre dias depois que a empresa, de menor porte, descartou planos de buscar o consentimento do investidor para estender a data de vencimento de seu título em três meses, dizendo que isso não era do melhor interesse dela e de seus acionistas.

A agência de classificação Fitch no início deste mês cortou a classificação da Modern Land de "B" para "C" por causa da solicitação de consentimento para alterar os termos dos títulos, dizendo que considerou a mudança uma troca de dívida em dificuldades.

As incorporadoras estão "uma a uma" entrando em default, disse um investidor exposto a dívidas chinesas de alto rendimento, que pediu para não ser identificado porque não está autorizado a falar com a mídia.

"A questão é sempre: quem é o próximo?"

PUBLICIDADE