PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Trabalhadores de petróleo da Noruega devem entrar em greve na terça

A ação da indústria começará à meia-noite no horário local em três campos e depois se expandirá para três outros campos a partir de meia-noite de quarta - fotoember/Getty Images
A ação da indústria começará à meia-noite no horário local em três campos e depois se expandirá para três outros campos a partir de meia-noite de quarta Imagem: fotoember/Getty Images

Gwladys Fouche

04/07/2022 08h45Atualizada em 04/07/2022 09h05

Os trabalhadores da indústria de petróleo offshore da Noruega devem entrar em greve na terça-feira, em uma ação que reduzirá a produção de petróleo e gás, já que as negociações em curso não avançaram, disseram o sindicato e o lobby que representa as empresas de petróleo nesta segunda-feira.

"Como está agora, haverá uma greve esta noite", disse um porta-voz da Associação Norueguesa de Petróleo e Gás (NOG) à Reuters. "A situação está bastante travada... Nenhuma conversa está agendada para hoje."

A ação da indústria começará à meia-noite no horário local em três campos —Gudrun, Oseberg South e Oseberg East— e depois se expandirá para três outros campos —Kristin, Heidrun e Aasta Hansteen— a partir de meia-noite de quarta-feira.

Um sétimo campo, Tyrihans, terá que fechar porque sua produção é processada em Kristin.

Até terça-feira, a produção de petróleo seria reduzida em 89.000 barris de óleo equivalente por dia (boepd), disse a Equinor. Já a produção de gás seria cortada em 27.500 boepd, ou 4,4 mcm por dia, acrescentou.

Até quarta-feira, uma greve reduziria a produção de gás do país em 292.000 barris de óleo equivalente por dia, ou 13% da produção, disse a NOG no domingo.

A produção de petróleo diminuiria em 130.000 barris por dia, acrescentou o lobby, correspondendo a cerca de 6,5% da produção da Noruega, segundo cálculo da Reuters.

O governo norueguês disse estar acompanhando o conflito "de perto". Ele pode intervir para interromper uma greve se houver circunstâncias excepcionais.

A greve, na qual os trabalhadores exigem aumentos salariais para compensar o aumento da inflação, ocorre em meio aos altos preços do petróleo e do gás, com o fornecimento de gás para a Europa especialmente apertado após cortes nas exportações russas.