IPCA
0,42 Fev.2024
Topo

FMI alerta que turbulência financeira mais profunda prejudicará crescimento global

11/04/2023 10h08

Por David Lawder

WASHINGTON (Reuters) - O Fundo Monetário Internacional reduziu ligeiramente nesta terça-feira sua perspectiva de crescimento global para 2023 uma vez que taxas de juros mais altas esfriam a atividade, mas alertou que um agravamento severo da turbulência do sistema financeiro pode reduzir a produção para níveis próximos da recessão.

O FMI disse em seu relatório Perspectiva Econômica Global que os riscos de contágio do sistema bancário foram contidos por medidas fortes adotadas após a falência de dois bancos regionais dos Estados Unidos e a fusão forçada do Credit Suisse.

Mas a turbulência adicionou outra camada de incerteza além da inflação elevada e das repercussões da guerra da Rússia na Ucrânia.

"Com o recente aumento na volatilidade do mercado financeiro, a neblina em torno das perspectivas econômicas mundiais aumentou", disse o FMI em meio às reuniões de primavera com o Banco Mundial esta semana em Washington.

"A incerteza é elevada e o balanço de riscos mudou firmemente para negativo enquanto o setor financeiro permanecer instável", acrescentou o Fundo.

O FMI agora prevê um crescimento do PIB global de 2,8% para 2023 e 3,0% para 2024, marcando uma forte desaceleração do crescimento de 3,4% em 2022 devido a uma política monetária mais apertada.

As previsões para 2023 e 2024 foram reduzidas em 0,1 ponto percentual em relação às estimativas divulgadas em janeiro, em parte devido a desempenhos mais fracos em algumas economias maiores, bem como expectativas de mais aperto monetário para combater a inflação.

A perspectiva do FMI para os EUA melhorou ligeiramente, com crescimento em 2023 estimado em 1,6%, contra 1,4% em janeiro, já que o mercado de trabalho permanece forte. Mas o Fundo cortou as previsões para algumas das principais economias, incluindo a Alemanha, agora com previsão de contração de 0,1% em 2023; e o Japão, que deve crescer 1,3% este ano em vez da taxa de 1,8% prevista em janeiro.

ECONOMIAS E RESILIÊNCIA À INFLAÇÃO

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse em entrevista coletiva que está mais otimista com as perspectivas, já que várias economias de mercados desenvolvidos e emergentes mostram resiliência.

"Eu não exageraria no negativismo sobre a economia global", disse Yellen. "Acho que a perspectiva é razoavelmente brilhante."

O FMI elevou sua projeção para o núcleo da inflação em 2023 a 5,1%, de 4,5% em janeiro, dizendo que ele ainda não atingiu o pico em muitos países apesar de preços mais baixos de energia e alimentos.

"A política monetária precisa continuar focada na estabilidade de preços" para manter as expectativas de inflação sob controle, disse o economista-chefe do FMI, Pierre-Olivier Gourinchas, em uma coletiva de imprensa.

Em entrevista à Reuters, Gourinchas disse que os bancos centrais não devem interromper sua luta contra a inflação por causa dos riscos à estabilidade financeira, que parecem "muito contidos".

CENÁRIOS DE TURBULÊNCIA BANCÁRIA

Embora uma grande crise bancária não esteja no cenário básico do FMI, Gourinchas disse que uma piora significativa nas condições financeiras pode voltar a ocorrer, conforme investidores nervosos tentam testar o "próximo elo mais fraco" do sistema financeiro, como fizeram com o Credit Suisse.

O relatório incluiu duas análises mostrando impactos moderados e agudos das turbulências financeiras no crescimento global.

Em um cenário "plausível", o estresse sobre bancos vulneráveis - alguns como os falidos Silicon Valley Bank e o Signature Bank, sobrecarregados por perdas não realizadas devido ao aperto da política monetária e dependente de depósitos não segurados - cria uma situação em que "as condições de financiamento para todos os bancos se apertam, devido à maior preocupação com a solvência bancária e possíveis exposições em todo o sistema financeiro", afirmou o FMI.

Esse "aperto moderado" das condições financeiras pode cortar 0,3 ponto percentual do crescimento global em 2023, reduzindo-o para 2,5%.

O Fundo também incluiu um cenário negativo agudo com impactos muito mais amplos dos riscos nos balanços dos bancos, levando a cortes acentuados nos empréstimos nos EUA e em outras economias avançadas, uma grande retração nos gastos das famílias e uma fuga "de risco" de fundos de investimento para ativos seguros denominados em dólares.

As economias dos mercados emergentes seriam duramente atingidas pela demanda menor por exportações, desvalorização da moeda e aumento da inflação.

Esse cenário, ao qual Gourinchas atribuiu 15% de probabilidade que se concretize, poderia cortar o crescimento de 2023 em até 1,8 ponto percentual, reduzindo-o para 1,0% – um nível que implica crescimento do PIB per capita próximo de zero. O impacto negativo pode ser cerca de um quarto do impacto da crise financeira de 2008-2009.

Outros riscos negativos destacados pelo FMI incluem inflação persistentemente alta que requer aumentos mais agressivos das taxas de juros, escalada da guerra da Rússia na Ucrânia e contratempos na recuperação da China da Covid-19, incluindo dificuldades agravadas em seu setor imobiliário.