PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

China inaugura nova Bolsa de Valores em Pequim para PMEs do setor da inovação

No primeiro dia de cotação da nova bolsa, ações de cerca de 80 empresas começaram a ser negociadas - Cris Fraga/Estadão Conteúdo
No primeiro dia de cotação da nova bolsa, ações de cerca de 80 empresas começaram a ser negociadas Imagem: Cris Fraga/Estadão Conteúdo

15/11/2021 11h35

A China inaugurou nesta segunda-feira (15) uma nova bolsa de valores em Pequim, destinada a apoiar o crescimento de pequenas e médias empresas orientadas à inovação. Com a nova praça financeira, a quarta do país, o governo chinês pretende arrecadar financiamento em casa para as PMEs nacionais e evitar que elas recorram aos investidores de Wall Street, nos Estados Unidos, como faziam até agora por falta de estrutura local.

A China já tinha três grandes bolsas de valores: em Xangai (leste), considerada a capital econômica do país, Shenzhen, metrópole tecnológica no sul, e no território semiautônomo de Hong Kong. Porém, quando necessitavam atrair investimento para seu desenvolvimento, as PMEs chinesas do setor de tecnologia buscavam os investidores estrangeiros de Wall Street.

Em 2014, a gigante do comércio eletrônico Alibaba realizou a maior introdução no mercado de ações de todos os tempos, arrecadando US$ 25 bilhões. Porém, com a intensificação da guerra comercial sino-americana durante a presidência de Donald Trump (2017-2021), o poder comunista passou a pressionar as grandes companhias nacionais a negociarem suas ações na China.

Nos últimos anos, Hong Kong tornou-se uma praça atraente para as empresas chinesas de tecnologia, a ponto de algumas delas, incluindo a Alibaba, estabelecerem uma segunda cotação no território semiautônomo. No entanto, com a crise econômica decorrente da pandemia de Covid-19, as PMEs têm enfrentado dificuldade para levantar fundos de bancos.

Nesse contexto, a Bolsa de Valores de Pequim se apresenta como uma solução para o financiamento de empresas inovadoras, cujo pequeno porte poderia representar um freio para a captação de capital.

A iniciativa também visa reduzir a dependência das PMEs em relação aos bancos para seus empréstimos, em um momento em que o governo busca diminuir o superendividamento de seu sistema financeiro.

Outra vantagem apontada por analistas é que as firmas chinesas impactadas pelas restrições regulatórias nos Estados Unidos ganham uma praça alternativa para a captação de investimentos.

No ano passado, o ex-presidente Donald Trump proibiu os americanos de investir em empresas chinesas que supostamente forneciam ou apoiavam os militares chineses. Desde sua chegada à Casa Branca, em janeiro, Joe Biden manteve essas medidas em vigor.

Ações suspensas

Nesse primeiro dia de cotação, ações de cerca de 80 empresas começaram a ser negociadas em Pequim. A maioria delas já estava listada na NEEQ, uma plataforma lançada em 2012 que permitia às PMEs levantar recursos antes de serem cotadas em uma grande bolsa de valores.

A abertura do novo centro financeiro aconteceu com relativa discrição na mídia. Os veículos oficiais não fizeram transmissões ao vivo e a imprensa estrangeira sequer foi convidada para acompanhar o movimento do pregão.

De acordo com o regulamento interno, as ações negociadas na Bolsa de Valores de Pequim só podem sofrer flutuação diária de 30%, para mais ou para menos em relação ao valor inicial do título. Por causa dessa regra, as vendas de ações de dez empresas, cujos papéis alcançaram uma valorização de 60%, foram suspensas nesse primeiro dia do pregão, segundo a mídia estatal.

Daqui em diante, caberá às PMEs chinesas conquistarem credibilidade para perenizar o novo mercado.

Com informações da AFP

PUBLICIDADE