PUBLICIDADE
IPCA
0,26 Jun.2020
Topo

Japão, conhecido pela disciplina, já atrasou 7 anos seu 1º jato comercial

Avião Mitsubishi SpaceJet deverá ser o primeiro jato comercial de passageiros desenvolvido no Japão - Divulgação
Avião Mitsubishi SpaceJet deverá ser o primeiro jato comercial de passageiros desenvolvido no Japão Imagem: Divulgação

Vinícius Casagrande

Colaboração para o UOL, em São Paulo

06/02/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Avião desenvolvido pela Mitsubishi será o primeiro jato comercial japonês
  • Previsão inicial era de que a primeira entrega ocorresse em 2013
  • Projeto já tem sete anos de atraso e a previsão atual é que entre em operação somente em 2021 ou 2022
  • Avião japonês foi desenvolvido para competir no mesmo mercado dos aviões comerciais da Embraer

O Japão sonha em ter o seu primeiro jato comercial de passageiros desenvolvido no país. Apesar de todo o poderio econômico e tecnológico japonês, o avião tem enfrentado sérias dificuldades para conseguir aprovação e entrar no mercado.

Quando a Mitsubishi lançou o projeto MRJ em 2008, a previsão era de que o jato comercial chegasse ao mercado em 2013. Passados sete anos do prazo inicial, a empresa deve anunciar hoje um novo cronograma.

Segundo o jornal japonês Nikkei, a empresa já anunciou internamente que as primeiras entregas devem ficar somente para o final de 2021 ou início de 2022. Com o novo prazo, o jato japonês pode acumular um atraso total de nove anos.

O avião desenvolvido pela Mitsubishi fez seu primeiro voo de testes em 2015, mas até o momento não recebeu a certificação das autoridades aeronáuticas internacionais.

O modelo pretende entrar no mercado para concorrer diretamente com os jatos da Embraer e com a família Airbus A220.

Mitsubishi SpaceJet - Divulgação - Divulgação
Jato japonês pretende concorrer com aviões comerciais da Embraer
Imagem: Divulgação

Ao longo dos últimos anos, o jato sofreu diversas mudanças. A mais recente foi anunciada em meados do ano passado em Paris (França) durante uma feira internacional. Para dar uma cara nova ao projeto, a Mitsubishi alterou o nome do avião de MRJ (Mistubishi Regional Jet) para SpaceJet. Apesar das mudanças, os problemas continuam os mesmos.

Atraso na produção de peças

O novo adiamento ocorreu por um atraso no envio de peças necessárias para a produção de novos protótipos de teste para o processo de certificação do modelo. O avião precisa de cerca de um milhão de peças para ser fabricado.

A Mitsubishi já teria recebido mais de 400 pedidos para o novo avião. Os constantes atrasos, no entanto, têm feito com que algumas companhias aéreas cancelem as encomendas. A Trans States Holdings, que presta serviço de aviação regional para a United Airlines, já cancelou o pedido de 100 aviões.

Alguns fornecedores de peças também estão preocupados com os atrasos. Um das empresas decidiu suspender a produção dos principais componentes de fibra de carbono do SpaceJet, pois o cronograma atrasado aumenta os custos.

O projeto já recebeu investimentos de mais de US$ 5,5 bilhões.

Como é o jato japonês

O jato japonês SpaceJet terá duas versões. A maior delas será a M90, que terá capacidade para entre 76 e 92 passageiros. A versão M100 será um pouco menor, com capacidade entre 70 e 88 passageiros.

Criado para competir com os jatos da Embraer, os japoneses adotaram também a característica do avião brasileiro que mais agrada aos passageiros. A configuração dos assentos será no padrão 2-2, sem a poltrona do meio. A Mitsubishi também promete espaço mais generoso aos passageiros. O bagageiro, por exemplo, seria maior e com capacidade para uma mala de mão por passageiro.

Quando finalmente estiver liberado, a companhia aérea japonesa ANA (All Nippon Airways) deverá ser a primeira do mundo a receber um Mitsubishi SpaceJet. A empresa tem uma encomenda de 15 aviões do modelo.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Veja como são os pousos em alguns dos aeroportos mais assustadores

UOL Notícias

Todos a Bordo