PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Todos a Bordo

Avião antigo tinha até 5 pessoas na cabine; veja funções que foram extintas

Engenheiro de voo a bordo de um Boeing 747 da Lufthansa - Divulgação/Lufthansa
Engenheiro de voo a bordo de um Boeing 747 da Lufthansa Imagem: Divulgação/Lufthansa

Vinícius Casagrande

Colaboração para o UOL, em São Paulo

13/09/2020 04h00

As cabines de comando dos primeiros grandes aviões comerciais eram repletas de instrumentos para controlar todos os sistemas de voo. Com a evolução, todos aqueles "reloginhos" foram substituídos por telas coloridas. Com isso, algumas funções a bordo dos aviões também foram extintas. O trabalho que já chegou a ser feito por cinco pessoas dentro do cockpit, hoje é realizado apenas por dois pilotos.

No futuro, pode ser que até esses dois pilotos sejam dispensados. Há quem defenda a redução para apenas um piloto no comando dos aviões, mas há projetos que podem eliminar completamente a presença deles. A Airbus já desenvolve um sistema autônomo de voo, e fez testes com sucesso em um avião real.

Acabar com a presença dos pilotos a bordo pode parecer impensável, mas o mesmo já foi dito um dia de outras funções a bordo da cabine de comando das aeronaves. Engenheiro de voo, navegador e radioperador de voo são funções que ficaram para a história. Veja o que esses profissionais faziam.

Engenheiro de voo

A antiga lei do aeronauta definia a profissão pelo nome de mecânico de voo. Pela lei, o profissional era definido como "auxiliar do comandante, encarregado da operação e controle de sistemas diversos conforme especificação dos manuais técnicos da aeronave".

A função surgiu nos anos 1930, com os grandes aviões anfíbios quadrimotores. O aumento no número de motores elevou a carga de trabalho a bordo da cabine de comandante, tornando inviável que os pilotos controlassem o voo e também monitorassem todos os sistemas.

Para evitar uma sobrecarga que pudesse colocar o voo em risco, foi criada a função de mecânico de voo, que depois passaria a ser mais conhecida como engenheiro de voo. Sentado atrás dos pilotos, a função principal era a operação e monitoramento de todos os sistemas do avião para diagnosticar e corrigir qualquer falha que pudesse surgir, além de orientar os pilotos.

O Boeing 737, desenvolvido na década de 1960, foi o primeiro avião projetado para eliminar a necessidade de um engenheiro de voo. Por ser pioneiro, enfrentou resistência de sindicatos, que não aceitaram a eliminação desse tripulante na cabine. No início, ainda havia a obrigação de um engenheiro de voo na cabine. A situação, no entanto, foi revertida logo depois e o avião passou a voar somente com piloto e copiloto.

A extinção da função ganhou força nos anos 1980, com o desenvolvimento de aviões que passaram a utilizar sistemas computadorizados. Todo o trabalho do engenheiro de voo passou a ser feito pelos computadores. Os primeiros aviões a abandonar esse tripulante foram o Boeing 767 e algumas versões do Airbus A300.

Navegador de voo

Navegador de voo - Divulgação/ Pan Am Foundation - Divulgação/ Pan Am Foundation
Navegador tinha a função de orientar a rota do voo
Imagem: Divulgação/ Pan Am Foundation

A antiga lei do aeronauta definia a função do navegador como "auxiliar do comandante, encarregado da navegação da aeronave quando a rota e o equipamento o exigirem, a critério do órgão competente do Ministério da Aeronáutica".

Quando a lei do aeronauta foi sancionada, em 1984, essa já era uma função praticamente em extinção. Ela só existia em aviões muito antigos. O navegador, no entanto, foi durante muitos anos importante para orientar os pilotos na rota correta.

Sem os sistemas avançados de localização, os navegadores eram responsáveis por cálculos complexos para determinar a posição correta da aeronave. Em muitos casos, chegavam a utilizar a navegação celestial, orientados pelos astros no céu, especialmente quando sobrevoavam os oceanos ou áreas remotas sem outros auxílios.

O aumento de auxílios em terra à navegação, como antenas VOR e NDB, e posteriormente o GPS, permitiram que os próprios pilotos pudessem assumir também a navegação do avião, eliminando essa função a bordo da cabine.

Radioperador de voo

Radioperador - Acervo Museum of Flight - Acervo Museum of Flight
Radioperador controlava a comunicação nos aviões mais antigos
Imagem: Acervo Museum of Flight

A função de radioperador foi a primeira a ser eliminada da cabine de comando dos aviões. Apesar disso, a função ainda constava da antiga lei brasileira do aeronauta, que definia a função como "auxiliar do comandante, encarregado do serviço de radiocomunicações nos casos previstos pelo órgão competente do Ministério da Aeronáutica".

Os radioperadores eram mais comuns até a metade do século passado, quando os sistemas de comunicação ainda eram bastante complexos. Naquela época, o rádio de um avião era de difícil manuseio e, em alguns casos, a comunicação era feita até por mensagens telegráficas com código morse.

A evolução dos rádios foi bem mais veloz que a de outros sistemas, dispensando a necessidade de um profissional só para isso. Hoje, basta o piloto apertar um botão para se comunicar com o controle de tráfego aéreo.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do publicado originalmente, o Boeing 737 foi o primeiro modelo a eliminar a função de engenheiro de voo na cabine de comando dos aviões. A informação foi corrigida.

Todos a Bordo