PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Todos a Bordo

Boeing 737 Max vai voltar a voar; veja a evolução do modelo 737 desde 1967

Boeing 737 Next-Generation - Divulgação
Boeing 737 Next-Generation Imagem: Divulgação

Vinícius Casagrande

Colaboração para o UOL, em São Paulo

29/11/2020 04h00

O Boeing 737 é o avião comercial mais produzido na história da aviação. Em mais de 50 anos, já foram feitas e entregues 10.435 unidades. Em 2019, porém, esse sucesso foi comprometido pela proibição dos voos da nova versão do modelo, o 737 Max, após problemas técnicos causarem dois acidentes, que mataram 346 pessoas.

Depois de 20 meses parado, nesta semana o 737 Max foi autorizado a voltar a voar no Brasil pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Primeiro voo em 1967

O modelo fez seu primeiro voo de teste em 9 de abril de 1967, iniciando as operações comerciais no ano seguinte. O 737 foi a aposta da Boeing para conquistar o mercado de rotas de curta e média distância. Mais de 50 anos depois, o modelo expandiu sua atuação, ganhando mais capacidade de passageiros e autonomia.

Ao longo de sua história, o 737 já passou por quatro gerações diferentes, que somam mais de dez versões diferentes. Do 737-100, foram produzidas apenas 30 unidades. O mais popular é o 737-800, com 5.126 unidades.

O 737 Max promete superar essa marca. O modelo já recebeu mais de 4.400 pedidos. Até a proibição dos voos, já haviam sido entregues 387 unidades. Com a retomada dos voos, a Boeing espera recuperar a confiança de companhias aéreas e passageiros e aumentar esses números.

Confira como foi a evolução do 737 em toda a sua história.

737 Original

737-100 - Wikimedia - Wikimedia
Lufthansa foi a primeira companhia aérea do mundo a receber um Boeing 737
Imagem: Wikimedia

A Boeing anunciou em 1965 o desenvolvimento de um novo modelo. Naquela época, a fabricante era conhecida por fazer grandes aviões. Quando anunciou o 737, ele foi rapidamente apelidado de "baby Boeing". Era um modelo complementar à frota do 707 e 727.

A primeira geração do 737 inclui as versões 737-100 (30 unidades) e 737-200 (1.114 unidades).

No início, o modelo da Boeing enfrentou forte concorrência do Douglas DC-9 e do BAC 1-11, da British Aircraft Corp. Para economizar tempo de produção e colocar o avião no mercado o mais rápido possível, a Boeing usou no 737 a mesma estrutura de fuselagem do 707 e do 727 para que os mesmos paletes de carga do convés superior pudessem ser usados para os três jatos.

As versões 737-100 e 737-200 foram desenvolvidas de maneira simultânea. Em 28 de dezembro de 1967, a Lufthansa se tornava a primeira companhia aérea do mundo a receber um 737-100. No dia seguinte, foi a vez de a United Airlines receber o primeiro 737-200.

A principal diferença entre as duas versões está no tamanho do avião. Enquanto o 737-100 tinha capacidade para cerca de cem passageiros, o 737-200 podia levar 115 passageiros na configuração típica, podendo chegar a 132 na versão de alta densidade. A versão 737-200 era cerca de dois metros mais comprida.

737 Classic

737-300 - Wikimedia - Wikimedia
Boeing 737-300 da antiga companhia aérea norte-americana USAir
Imagem: Wikimedia

A segunda geração do 737 engloba as versões 737-300, 737-400 e 737-500. O desenvolvimento começou em 1979, mas o primeiro voo foi realizado somente em 1984. O avião entrou em serviço no mesmo ano.

As principais mudanças da nova versão estavam em uma nova motorização, que deixou o avião mais eficiente, e no sistema de comando mais moderno, que incluía as primeiras telas digitais do 737. O avião se tornava mais atualizado e eficiente.

A primeira versão da segunda geração foi o 737-300, que tinha capacidade entre 126 e 149 passageiros. Essa também foi a versão mais bem-sucedida dessa geração, com 1.113 unidades produzidas

Em 1988, foi a vez de entrar em serviço o 737-400. Era o maior da nova geração, com capacidade entre 147 e 168 passageiros. A versão teve 486 unidades

O último da segunda geração foi o 737-500, que também era o menor deles. Essa versão entrou em serviço em 1990, com capacidade entre 110 e 130 passageiros. Foram 389 unidades.

737 Next Generation

737 ng - Divulgação - Divulgação
Boeing 737-800 é a versão mais popular da história
Imagem: Divulgação

A terceira geração do Boeing 737 foi, de longe, a mais popular até agora. Somando as quatro versões, foram 6.916 unidades produzidas. A versão 737-800 representa mais de 74% disso, com 5.126 unidades. A grande maioria dos Boeing 737 em atividade atualmente em todo o mundo são dessa geração.

O 737 NG recebeu diversas melhorias. A nova geração apresenta uma asa redesenhada com uma área maior, uma envergadura mais ampla, maior capacidade de combustível e peso máximo de decolagem mais alto, além de maior alcance e capacidade de passageiros. A cabine de comando dos pilotos também foi totalmente remodelada, com modernas telas digitais.

Em sua versão mais popular, o 737-800 tem capacidade para 189 passageiros em classe única de cabine. A companhia aérea alemã Hapag-Lloyd Flug foi a primeira do mundo a receber um 737-800, em abril de 1998.

O 737-600 é quase uma raridade. Foram produzidas apenas 69 unidades com capacidade entre 110 e 132 passageiros. Entre as versões de menor porte, foi o 737-700 que fez mais sucesso. Com capacidade entre 126 e 149 passageiro, essa versão teve 1.124 unidades produzidas. Por outro lado, o 737-900 era o maior deles, com capacidade entre 177 e 189 passageiros e 557 unidades fabricadas.

737 Max

737 Max - Divulgação - Divulgação
Boeing 737 Max é a nova geração do modelo
Imagem: Divulgação

A mais recente versão foi também a mais problemática da história da Boeing. Para se tornar um avião mais eficiente e econômico, o 737 recebeu novas asas e motores. O problema é que os novos motores são bem maiores que os das versões anteriores e foi necessário instalá-los em uma posição diferente da asa.

Essas mudanças obrigaram a Boeing a criar novos sistemas de controle de voo. Um desses sistemas, chamado de MCAS (Maneuvering Characteristics Augmentation System, ou sistema de ampliação de característica de manobra), teria sido a principal causa da queda de dois aviões da nova geração, causando a proibição dos voos em todo o mundo.

Depois de 20 meses de trabalho para identificação e correção dos problemas, o 737 Max foi liberado a voar novamente no Brasil na última quarta-feira (25). O avião já havia sido liberado nos Estados Unidos no último dia 20.

Entre as exigências de projeto está a determinação para a reconfiguração do sistema de controle de voo desse modelo de aeronave, a correção do roteamento do conjunto de cabos, revisões de procedimentos incorporados ao manual de voo e testes de recalibração dos sensores. Também houve a revisão do programa de treinamento dos pilotos.

O 737 Max já teve mais de 4.400 pedidos para as suas quatro diferentes versões. Até agora, apenas 387 unidades da versão Max 8 foram entregues. Mais de 400 unidades já estão prontas e estavam esperando a liberação das autoridades aeronáuticas para serem entregues às companhias aéreas.

A nova versão tem como principal vantagens maior eficiência e economia de combustível, o que gerou também aumento do alcance do avião. Isso permite que as companhias aéreas reduzam seus custos e também abram novas rotas.

No Brasil, a Gol é a única empresa brasileira a operar o modelo. Depois de receber seus primeiros aviões, a companhia abriu rotas sem escala de Brasília e Fortaleza para Miami e Orlando, nos Estados Unidos. Com a liberação dos voos, a Gol já iniciou os testes para recolocar o modelo em operação.