PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como funcionam os sites e apps que acompanham voos em tempo real?

Plataformas rastreiam voos em tempo real por todo o mundo - Divulgação/RadarBox
Plataformas rastreiam voos em tempo real por todo o mundo Imagem: Divulgação/RadarBox

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

24/11/2021 04h00

Alguns sites e aplicativos conseguem trazer em tempo real a informação para quem quiser acompanhar voos pelo mundo. Basta estar conectado à internet que plataformas como FlightAware, Flightradar24, Plane Finder ou Radar Box trazem a localização dos voos em todos os cantos do planeta.

Isso é possível graças ao cruzamento de alguns dados, quase todos disponíveis ao público, mas sem o recurso visual que tornam essas alternativas atrativas para quem gosta de aviação. Essas informações são desenhadas em mapas para mostrar as rotas e, junto a isso, as características de cada aeronave, como matrícula, velocidade, origem e destino.

A principal tecnologia utilizada é o sistema ADS-B (Automatic Dependent Surveillance-Broadcast, ou transmissão de vigilância dependente automática). Ele capta a localização da aeronave (que é definida, geralmente, pelo GPS) e envia o sinal contendo, além da posição do avião, dados como velocidade, rumo, altitude, características do avião etc.

Receptores no solo captam esses sinais e os enviam para as respectivas plataformas que irão processar as informações e transformá-las em algo visual para o público em geral.

Antenas

ADS-B - FligthRadar24 - FligthRadar24
Sistema ADS-B depende de receptores em solo
Imagem: FligthRadar24

O sistema de ADS-B possui milhares de receptores mundo afora. Grande parte deles está nas mãos de pessoas que instalam as antenas que detectam esses sinais em casa e compartilham os dados com as plataformas.

Alguns desses serviços oferecem a antena gratuitamente, e ainda podem dar descontos em assinaturas para quem compartilhar informações constantemente com eles. Quem preferir ou não for elegível para um kit de graça pode montar o seu próprio sistema de recepção de sinais ou comprar pronto por cerca de R$ 200 a R$ 300 os modelos mais simples.

Esse sinal é especialmente importante devido à sua facilidade de captura e interpretação. Junto a isso, sua instalação nas aeronaves é relativamente simples, e, nos Estados Unidos, ao final de 2019, 90% da frota do país já possuía o ADS-B instalado.

ADS-B - Divulgação - Divulgação
Kit de receptor ADS-B do FlightRadar24
Imagem: Divulgação

Outras fontes de informação

Algumas plataformas somam os dados recebidos pelo sistema ADS-B com outras fontes de informação para garantir a fidelidade dos dados interpretados. Prestadores de serviços de navegação aérea costumam repassar os dados das aeronaves em tempo real também, que podem ser somados para definir onde está um avião.

Ainda há informações de voo especificadas pelas empresas aéreas, dados de satélite ou, até mesmo, de sistemas de informação mais antigos instalados nas aeronaves.

Desenhos nos céus

Desenhos - Montagem/FlightAware e FlightRadar24 - Montagem/FlightAware e FlightRadar24
Com plataformas de rastreamento é possível ver os desenhos formados pelos aviões nos céus
Imagem: Montagem/FlightAware e FlightRadar24

Como os voos são rastreados, é possível ver uma linha com a rota que os aviões e helicópteros fizeram nos céus. Em alguns casos, os desenhos são formados intencionalmente com mensagens para quem tiver acesso a essas plataformas.

Em junho de 2020, um piloto sobrevoou o Canadá formando o desenho de um punho fechado, em solidariedade aos movimentos antirracistas que tomaram alguns países à época. No final de 2020, um piloto desenhou uma seringa com o avião em alusão ao início da vacinação contra Covid-19.

Em 2017, um Boeing 787 fez um "autorretrato" sobre os Estados Unidos, quando voou por grande parte do território do país formando a silhueta de um avião, manobra invisível para quem estava no solo, mas que não escapou dos aficionados por aviação.

Em julho de 2020, quando a Azul foi eleita a melhor companhia aérea do mundo pelo site Tripadvisor, a empresa desenhou um mapa do Brasil nos céus de São Paulo utilizando um avião ATR-72. O voo foi acompanhado ao vivo por cerca de 15 mil pessoas no site Flightradar24, e a aeronave utilizou mais de 40 pontos no mapa para fazer o desenho.

Voo sobre o oceano

Como as antenas do sistema ADS-B estão localizadas em terra, quando um avião se afasta muito em direção ao oceano, esse sinal deixa de ser recebido adequadamente. Em situações como essa, as plataformas passam a desenhar uma rota esperada do voo, e não mais sua trajetória real.

Isso pode causar certo estranhamento para quem não conhece o sistema, pois, de repente, um avião que estava em uma posição no mapa aparece em outra. Essa é a diferença entre o voo planejado e a rota real, já que é preciso estar próximo a um dos receptores em solo para que se receba a posição exata do avião.

PUBLICIDADE