PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Aviões de guerra decolam de navios usando catapultas; veja e entenda como é

F/A-18C é lançado por meio de catapulta presa ao trem de pouso a bordo do porta-aviões USS George Washington - Barry Hirayama/Marinha dos EUA
F/A-18C é lançado por meio de catapulta presa ao trem de pouso a bordo do porta-aviões USS George Washington
Imagem: Barry Hirayama/Marinha dos EUA

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Carlos (SP)

30/04/2022 04h00

Um porta-aviões é uma das principais máquinas de guerra do mundo atual. Ele consegue deslocar a força de ataque aéreo de um país para longe de seu território, além de permitir a defesa das fronteiras das nações de uma maneira mais dinâmica, já que não depende de bases terrestres.

Essas embarcações são famosas por suas catapultas, que fazem os aviões atingirem centenas de quilômetros por hora em um curtíssimo espaço de pista. Entretanto, nem todo porta-aviões conta com um sistema de catapultas para lançar suas aeronaves.

Existe outra maneira de lançar um avião em tão pouco espaço, que consiste em uma rampa inclinada no final da pista. Mas a escolha entre uma ou outra forma fazer as aeronaves decolarem vai depender de um grupo de fatores, como o peso, tipo de aeronave, entre outros.

Catapulta ou rampa?

Ski-ramp - Kyle Heller/Marinha do Reino Unido - Kyle Heller/Marinha do Reino Unido
F-35B decola do porta-aviões HMS Queen Elizabeth usando o sistema de rampa (ski-ramp)
Imagem: Kyle Heller/Marinha do Reino Unido

Os porta-aviões das forças armadas dos Estados Unidos costumam ser equipados com sistemas de catapultas para lançar suas aeronaves. Esse mesmo tipo de embarcação em outros países como Rússia, China ou Reino Unido costuma utilizar uma rampa no final da pista para garantir a decolagem.

De acordo com Fernando Martini Catalano, professor do curso de Engenharia Aeronáutica da USP (Universidade de São Paulo, com as catapultas, os aviões podem decolar mais pesados pois contam com auxílio externo para conseguirem voar.

Já com as rampas é importante que o avião tenha potência própria para decolar naquele curto espaço que é o convés do porta-aviões, diz o professor.

No caso dos Estados Unidos, seus porta-aviões conseguem lançar caças mais pesados ou com maior quantidade de armamentos, eventualmente, já que, além do impulso próprio, ainda contam com a força extra da catapulta. Isso inclui além de caças, outros aviões maiores, que não conseguem atingir grandes velocidades com pouca pista, como os aviões de monitoramento.

Em outras situações, aviões com motores mais potentes também podem decolar sem serem lançados por catapultas, já que conseguem atingir maiores velocidades no curto espaço que dispõem. Esse é o caso dos porta-aviões com a rampa inclinada ao final da pista de decolagem.

Como funcionam?

Catapulta - Eduardo Zaragoza/Marinha dos EUA - Eduardo Zaragoza/Marinha dos EUA
F/A-18C é catapultado do porta-aviões USS Nimitz. Jato de ar do caça rebate no defletor, o que ajuda na decolagem
Imagem: Eduardo Zaragoza/Marinha dos EUA

As catapultas são mecanismos que se prendem ao trem de pouso dos aviões e conseguem atingir altas velocidades em poucos instantes. Com isso, somado ao auxílio dos motores do próprio avião, eles conseguem decolar em poucas centenas de metros em vez de distâncias que ultrapassariam um quilômetro na vida real na maioria das situações.

Com isso, as catapultas tendem a oferecer mais agilidade com o lançamento, colocando mais aviões em combate em um menor tempo. Elas ainda ajudam a economizar combustível dos aviões, uma vez que é na decolagem o momento em que mais se consome devido ao impulso necessário para sair do chão.

As rampas, por sua vez, foram desenvolvidas com maior intensidade pela Inglaterra para que seus porta-aviões comportassem aeronaves como o BAE Sea Harrier. Esse avião tem capacidade de decolar na vertical, mas, como isso consome muito combustível, precisaria ser reabastecido em voo após um curto espaço de tempo.

A alternativa seria ele decolar por meios próprios do convés das embarcações da Marinha Britânica, o que foi possível após vários estudos que levaram à inserção da rampa inclinada ao final da pista de decolagem. Assim, o avião consegue decolar sem precisar do impulso extra da catapulta.

Outra vantagem dos porta-aviões sem catapulta é que eles não precisam desses sistemas, que são caros e, se apresentarem algum problema, podem paralisar a operação a bordo.