PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

'Façanha': como é possível um passageiro sem experiência pousar avião?

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

12/05/2022 10h00

Um passageiro passou por uma situação inusitada após o piloto do avião em que estava passar mal. Ele teve de pousar a aeronave, contando apenas com o auxílio de um controlador de voo por voz —o que ele fez com sucesso, apesar do sufoco. O caso aconteceu na tarde desta terça-feira (10) e ele pousou o monomotor Cessna 208 no Aeroporto Internacional de Palm Beach.

O passageiro disse não possuir nenhuma experiência com voo, embora tenha se mantido por perto da aviação e visto outros pilotos voarem com frequência, segundo relato de Robert Morgan, o controlador, que também é instrutor de voo.

Em gravações feitas na cabine, é possível ouvir a voz do homem dizendo à torre do aeroporto que ele "não tinha ideia de como parar o avião". "Tenho uma situação grave aqui. Meu piloto não está em condições", diz pelo rádio, quando o avião voava em altitude de 2.750 metros. "Ele está apagado."

Questionado sobre sua posição, ele respondeu: "Não faço ideia", mas afirmou que conseguia ver o litoral da Flórida à sua frente. "Mantenha as asas retas e tente seguir a costa, seja para o norte ou para o sul", respondeu o controlador de tráfego aéreo. "Estamos tentando localizar você."

"Não consigo nem ligar minha tela de navegação", disse o homem. "Tem todas as informações ali. Vocês têm alguma ideia sobre isso? Eu não tenho ideia de como parar o avião. Eu não sei fazer nada."

A história que poderia ter tido um final trágico acabou bem e com uma grande dúvida: como alguém que não tem nenhuma experiência de voo consegue pousar um avião?

Como seria o auxílio?

Declarada a emergência do voo, e constatado que o piloto não teria como efetuar o pouso sozinho, os controladores de voo passariam a orientar quem estivesse no comando a realizar os procedimentos da maneira mais segura possível.

Teriam de ser instruídas questões operacionais de voo (como velocidade, direção e altitude) e de pilotagem do avião, como onde observar essas informações, o painel de instrumentos, como pilotar a aeronave, etc. Esse tipo de conhecimento não é algo simples.

Painel - Divulgação/Frans Zwart - Divulgação/Frans Zwart
Painel de avião a jato: Leigos podem ter dificuldade em encontrar instrumentos
Imagem: Divulgação/Frans Zwart

O "piloto por um dia", como foi aquele passageiro nos EUA, teria de conseguir, por exemplo, combinar o movimento do manche, dos pedais e da aceleração do avião para conseguir efetuar uma curva sem que o avião tivesse problemas, tornando a façanha de terça-feira mais incrível.

No Brasil, em voos de linhas aéreas é obrigatória a presença de dois pilotos a bordo. Essa redundância garante que, se um deles tiver algum problema, o avião, ainda assim, conseguirá seguir para o pouso.

Esse tipo de ocorrência, inclusive, é treinada em simuladores.

Praticamente impossível

Pousar um avião não é uma tarefa simples, mesmo para os pilotos. Como já foi dito, são diversas questões que devem ser levadas em consideração, como a velocidade do avião, direção do vento, curvas, ângulo de aproximação, local onde será feito o toque na pista, trem de pouso etc.

Segundo Enio Beal Jr., comandante da aviação executiva, o ocorrido nos Estados Unidos "é um golpe de sorte". "Além da experiência, a pessoa precisa entender o modelo que está voando", afirma.

O piloto, entretanto, ressalta que essas são apenas suas impressões iniciais sobre o que aconteceu, o órgão regulador da aviação nos Estados Unidos irá investigar o que aconteceu de fato e emitir um relatório sobre o fato.

Comandos complexos

Em uma situação como essa, mesmo as instruções mais básicas podem ser complexas para quem não possui conhecimento. O passageiro precisaria saber onde é a alavanca de flap, qual velocidade manter, onde dar potência no motor, como usar os pedais e o manche para fazer curvas, entre outras questões básicas de voo.

"Não deixa de ser uma façanha. Ainda assim, não acredito que o passageiro não tenha experiência alguma. Alguma coisa ele devia conhecer para ter compreendido tão bem as instruções do controlador de voo", diz Beal.

Chama a atenção a maneira como ele agiu quando o controlador pede para que ele programe um código de emergência no transponder do avião, equipamento que, entre outras funções, emite um sinal que identifica a aeronave nas telas dos radares dos controladores de voo.

"Para fazer isso, como o passageiro fez, ele precisaria saber o que é o transponder e saber inserir esse código no equipamento", diz o piloto.

Depois, quando o controlador pede para que o passageiro desça com o avião em uma baixa razão de descida, ele confirma ter entendido e informa como está procedendo, segundo Beal.

"Um leigo sem qualquer experiência sequer saberia dizer qual é o instrumento para o qual deve olhar. Ou seja, ele teria um mínimo de conhecimento", diz.

"Na minha opinião, o que aconteceu foi o piloto ter tido um sério problema de saúde, mas ele não ficou completamente incapacitado de orientar o pouso, e o passageiro auxiliou ele no momento", afirma Beal, destacando que há poucas informações disponíveis sobre como tudo aconteceu até o momento, inclusive o estado de saúde do piloto.