PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Todos a Bordo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

100 anos atrás: como foi a 1ª viagem de avião da Europa ao Brasil?

O Lusitânia, um dos três aviões usados na primeira viagem aérea entre Lisboa e Rio, em 1922 - Divulgação/Air and Space Museum
O Lusitânia, um dos três aviões usados na primeira viagem aérea entre Lisboa e Rio, em 1922 Imagem: Divulgação/Air and Space Museum

Alexandre Saconi

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/06/2022 04h00

Há 100 anos, um feito para a aviação mundial era conquistado: a primeira travessia aérea do Atlântico Sul. Ela foi concluída com sucesso pelos aviadores portugueses Gago Coutinho e Sacadura Cabral, que partiram do rio Tejo, em Lisboa, com destino ao Rio de Janeiro.

A travessia foi feita entre os dias 30 de março e 17 de junho de 1922, gastando 79 dias no total. Houve diversas escalas para conseguir ser completada. Três aviões diferentes foram usados, porque dois naufragaram. À época, comemorava-se o centenário da independência do Brasil, momento que tornava mais marcante o voo.

Considerado heroico, o feito foi marcado por várias dificuldades, incluindo a troca de avião no meio da travessia após dois naufrágios.

Veja a seguir como foi feita a travessia:

Caravelas de Cabral

O projeto de travessia da Europa ao Brasil remetia à expedição de Pedro Álvares Cabral ao Brasil em 1500. Segundo documento da Força Aérea Brasileira, as duas viagens "denotam duas épocas, duas histórias, dois marcantes acontecimentos".

Em 1919, o piloto e capitão-de-fragata Artur Sacadura Freire Cabral propôs ao ministro da Marinha português a realização da travessia em busca de estreitar o relacionamento entre os dois países, ideia influenciada pela visita do presidente brasileiro Epitácio Pessoa ao país europeu. Com o avanço do plano, ele convidou o contra-almirante Carlos Gago Coutinho para ser seu navegador a bordo.

Travessia  - Reprodução - Reprodução
Travessia foi destaque na imprensa na época
Imagem: Reprodução

O trajeto não seria fácil, já que era uma viagem muito longa e com muitos percalços, algo feito de maneira muito mais simples e rápida hoje em dia. Para contornar alguns problemas que poderiam encontrar e não se perderem no caminho, ambos inventaram um sistema de navegação aérea específico para a jornada, que foi adotado posteriormente na aviação.

Nos anos seguintes, diversas etapas de voo foram planejadas, e o avião escolhido foi um Fairey F III-D, hidroavião inglês que tinha um dos motores mais confiáveis para realizar a travessia à época.

Lusitânia

O avião foi batizado de Lusitânia e precisou ser adaptado exclusivamente para a missão transoceânica. A envergadura (distância de ponta a ponta) das asas foi aumentada, e tanques de combustível adicional foram inseridos nos flutuadores usados para o pouso na água.

Toda a adaptação foi acompanhada pelo próprio Sacadura Cabral, e o avião ficou pronto a tempo para o início da travessia, iniciada em 30 de março de 1922.

Santa Cruz no litoral  - Museu da Marinha/Portugal - Museu da Marinha/Portugal
Santa Cruz no litoral do Brasil: três hidroaviões para completar a travessia épica
Imagem: Museu da Marinha/Portugal

A travessia

Na manhã daquele dia, os dois aviadores a bordo do Lusitânia decolaram de Lisboa rumo à primeira escala, em Las Palmas (Ilhas Canárias). Essa etapa inicial foi realizada a uma velocidade média de 151 km/h, bem abaixo da velocidade dos aviões de passageiro modernos, que chegam a 900 km/h.

A travessia ainda continuou com escalas em Gando (Ilhas Canárias), ilha de São Vicente (Cabo Verde), ilha de São Tiago (Cabo Verde), e, já no Brasil, no arquipélago de São Pedro e São Paulo, Fernando de Noronha (PE), Recife (PE), Salvador (BA), Porto Seguro (BA), Vitória (ES) e Rio de Janeiro.

Ao todo, foram 79 dias para percorrer 8.384 quilômetros. O trecho mais crítico, entre São Tiago e São Pedro e São Paulo, durou 11 horas e 21 minutos, e teve a maior distância, de cerca de 1.700 quilômetros de distância.

Não havia equipamentos de transmissão via rádio a bordo do Lusitânia, tornando a travessia mais peculiar ainda para a época.

Dois aviões naufragados

primeiro hidroavião da travessia  - Museu da Marinha/Portugal - Museu da Marinha/Portugal
Lusitânia: primeiro hidroavião da travessia foi para o fundo do mar
Imagem: Museu da Marinha/Portugal

Quando estavam pousando no mar próximo ao arquipélago de São Pedro e São Paulo, no dia 18 de abril, os aviadores foram surpreendidos por uma onda que danificou o Lusitânia, levando ao seu naufrágio. Sacadura Cabral e Gago Coutinho foram resgatados por um navio português que os levou para Fernando de Noronha.

O governo português logo providenciou o envio de outro avião como o que havia sido usado até então, batizado de Portugal. Dessa maneira, no dia 11 de maio, decolaram de Fernando de Noronha rumo a São Pedro e São Paulo para cumprir o trecho que não havia sido completado devido ao primeiro acidente.

Esse voo, porém, também não foi concluído, pois a tripulação precisou fazer um pouso de emergência, sendo resgatada posteriormente pelo cargueiro inglês Paris City. O Portugal foi danificado de forma irreversível, interrompendo novamente a travessia.

Hidroavião Santa Cruz - Museu da Marinha/Portugal - Museu da Marinha/Portugal
Hidroavião Santa Cruz exposto no Museu de Marinha, em Lisboa
Imagem: Museu da Marinha/Portugal

Entretanto, um último Fairey pertencente à Marinha de Portugal fora enviado, chegando ao arquipélago brasileiro no dia 2 de junho. Essa nova aeronave foi batizada de Santa Cruz pela esposa do presidente Epitácio Pessoa, e decolou no dia 5 de junho daquele ano rumo a Recife, capital pernambucana.

O pouso na porção continental do país concluiu a primeira travessia do Atlântico Sul, apesar de todos os problemas encontrados na viagem. Os aviadores continuaram a voar até o dia 17 de junho, quando pousaram definitivamente no Rio de Janeiro, encerrando a trajetória e sendo recebidos calorosamente pelo público.

O último hidroavião que sobreviveu à travessia, o Santa Cruz, está localizado no Museu de Marinha, em Lisboa. O relatório da viagem pode ser encontrado na página da Marinha de Portugal, por meio deste link.

O retorno a Lisboa também foi marcado por uma forte recepção do público. Ambos os pilotos foram vistos como heróis por realizarem a travessia e sobreviverem.

Curiosidades

  • O primeiro avião usado na travessia foi adaptado especificamente para aquela missão;
  • Ao tentarem decolar de Las Palmas, o mau tempo não permitiu que a viagem prosseguisse. Dirigiram-se à Baía do Gando, mas a decolagem também teve de ser abortada devido ao excesso de água nos flutuadores do avião. Em uma segunda tentativa, uma das cordas que amarram a estrutura da aeronave se rompeu, impedindo novamente a decolagem, que só pode ser feita após todos os problemas serem contornados;
  • Os tripulantes naufragaram duas vezes, e foram utilizados três aviões ao todo: Lusitânia, Portugal e Santa Cruz;
  • Embora tenha sido planejada para durar cerca de uma semana, a viagem se estendeu por mais de dois meses e meio devido às adversidades;
  • Além do combustível, os tripulantes tinham de calcular e levar em conta o peso de óleo lubrificante, água para radiador e instrumentos para efetuar a travessia.
Sacadura cabral - Arquivo da Marinha do Brasil - Arquivo da Marinha do Brasil
Sacadura Cabral e Gago Coutinho
Imagem: Arquivo da Marinha do Brasil