PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Alexandre Pellaes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Não queremos ser zumbis corporativos

Adrian Swancar/Unsplash
Imagem: Adrian Swancar/Unsplash
Alexandre Pellaes

Alexandre Pellaes é professor e pesquisador, especialista em temas relacionados a RH, liderança, futuro do trabalho e novos modelos de gestão. Mestre em psicologia do trabalho pela USP (Universidade de São Paulo) e fundador da Exboss.com.br, dedicado ao desenvolvimento de relações de trabalho mais humanizadas e com mais autonomia. Duas vezes palestrante TEDx.

Colunista do UOL

16/06/2022 04h00

"O amor e o trabalho são os pilares da humanidade".

A frase de Sigmund Freud certamente não tem qualquer intenção de defender o trabalho exploratório ou o emprego como condição à humanidade. Pelo contrário, é um convite e uma provocação a serem aceitos para compreendermos a importância do trabalho na construção de quem somos e de como nos relacionamos na sociedade. Mas, para isso, precisamos ampliar nossa visão sobre o tema.

Tradicionalmente, quando falamos sobre trabalho, pensamos no trabalho-financeiro: a atividade realizada para ganhar dinheiro, conquistar condições de sobrevivência e, com sorte suor e algumas lágrimas, concretizar sonhos e desejos (Opa. Desde que possam ser comprados...). Ou seja, falamos do emprego e de suas variações.

Em consequência, desenvolvemos a tendência de dedicar a ele a maior parte, se não a totalidade, da nossa energia produtiva. Na verdade, para muita gente, a atividade principal de suas vidas é o trabalho. Além disso, olhamos com julgamento e até reprovação para pessoas que tomam decisões profissionais priorizando outros elementos de conexão com o trabalho, que não o dinheiro. O primo que é músico é visto como vagabundo. A irmã que é pintora tá perdida, coitada. Bom mesmo é o vizinho que foi promovido a gerente (mas perdeu o aniversário da filha nos últimos dois anos...)!

Esse é um fenômeno de impressão social de valor que nos empurrou por séculos rumo a empregos pré-definidos pelo mercado e pelas empresas. Quantas escolhas de carreira terão sido feitas com o pensamento "onde haverá mais vagas de trabalho no futuro" em vez de "o que eu sei e quero fazer que pode gerar impacto e contribuição"? O primeiro vê o mercado. O segundo vê o indivíduo. Que tal a gente juntar isso aí, hein?

Se a atividade com reconhecido valor econômico e financeiro fosse a única definição válida de trabalho, onde se encaixariam as outras atividades que demandam nossa participação ativa e que trazem impacto potencial sobre nós e sobre as pessoas ao nosso redor?

Quem não tem emprego não trabalha? Quem não recebe dinheiro por sua ação produtiva é vagabundo? Não seria trabalho a jardinagem que alguém realiza por horas - ou a invenção e o preparo de receitas culinárias fantásticas que só você sabe fazer (bem ou mal... rsrs)? A arrumação do seu quarto? A limpeza do banheiro? O cuidado na criação de um filho? O estudo para ser aprovado em um teste? O lixo que você recolhe na praça? A realização de um exercício físico intenso? A composição de uma melodia? O quadro pintado para oferecer a um amigo? A limpeza da caixa d'água? Há trabalho que é obrigação, há trabalho que é escolha, há trabalho que é prazer, há trabalho que é treino, há trabalho que é expressão...

Reduzir o conceito de trabalho à sua vertente econômico-financeira é limitá-lo. É encolher as possibilidades de criação e de realização humana, colocando o controle dos estímulos de ação nas mãos de terceiros. É tirar do ser humano um pedaço da sua humanidade.

E, talvez, seja o pedaço que o torna essencialmente humano, porque trabalho é intenção convertida em ação, é expressão de si na ação produtiva, é construção de identidade na interação com o mundo. Também é um lugar de transformar em realidade o que existe em nós como potência. Se esse espaço nos for restrito ao olhar financeiro, será que cabemos mesmo naquele "lugar"?

Não me entenda mal. Eu não estou pregando o fim do trabalho formal e do emprego, não. O que eu trago aqui é um puxão de orelhas para organizações, lideranças e RHs que, muitas vezes, limitam o campo de ação das pessoas, deixando-as num espacinho tão apertado para "não gerar problema" e para "maximizar a eficiência" (cof! Lucro!), que acabam sendo negligentes com o papel social de suas organizações e ignoram que o trabalho não é apenas um lugar onde as pessoas vão para deixar algo - a sua produção -, e receber algo - o dinheiro.

Para não cair nessa armadilha, as empresas devem refletir sobre os seguintes pontos:

- Não é sobre o cargo. É sobre espaço de ação e de compreensão de papel. Na sua empresa, um(a) profissional consegue trazer sua essência ou o trabalho é totalmente prescrito? O que pode ser feito nesse sentido?

- Existe alguma interação na definição das atividades e nas métricas de avaliação sobre a performance realizada?

- As pessoas são ouvidas sobre seus interesses e desejos de contribuição além de seu compromisso principal de entrega?

- Quem é mais importante para a empresa? A posição e o crachá, ou a pessoa por trás dele? Como isso é representado no dia a dia?

Agora, se você pensou que ia sair sem um empurrãozinho também, lembre-se que organizações, lideranças e RHs são conjuntos de pessoas. Ou seja, todo CNPJ é uma somatória de CPFs ;^).

Portanto, faça sua parte. Amplie sua compreensão sobre o tema, observe os objetivos compartilhados, discuta o assunto com sua liderança e, por que não, com sua família. Encaminhe esse texto para seu RH. Faça perguntas. Compartilhe percepções e feedbacks.

Afinal, também é nosso trabalho mudar o mundo do trabalho. Ou como diria Freud, em outro pensamento potente:

"Qual é a sua responsabilidade na desordem sobre a qual você se queixa?"

Um abraço, boa semana e bom trabalho.

Ah, e deixe seu comentário aqui ou escreva para mim no instagram @pellaes.

Lugares Incríveis para Trabalhar

O Prêmio Lugares Incríveis Para Trabalhar é uma iniciativa do UOL e da FIA para reconhecer as empresas que têm as melhores práticas em gestão de pessoas. Os vencedores são definidos a partir dos resultados da pesquisa FIA Employee Experience (FEEx), que mede a qualidade do ambiente de trabalho, a solidez da cultura organizacional, o estilo de atuação da liderança e a satisfação com os serviços de RH. A pesquisa já está na fase de coleta de dados das empresas inscritas e as empresas vencedoras devem ser anunciadas em agosto.