Mariana Londres

Mariana Londres

Siga nas redes
Reportagem

Governo Lula prepara medidas para frear explosão das contas de luz

O governo Lula virou uma chave e está preparando ações para reduzir os impactos que o consumidor de energia do mercado regulado (residencial e comercial), a grande maioria dos brasileiros, vem absorvendo na conta de luz nos últimos anos.

Os aumentos na conta do consumidor que recebe energia das distribuidoras é usado para bancar as isenções e condições especiais que foram sendo criadas para o mercado livre (comercial acima de determinado consumo, cerca de R$ 10 mil mensais, que compra energia de matriz renovável e recebe pela rede de distribuição) e GD (geração distribuída, produtores da própria energia renovável, ligados à rede).

Por isso que o preço da energia produzida no Brasil vem caindo nos últimos anos, mas, a conta de luz dos consumidores, vem subindo (porque os encargos e outros custos embutidos, como a conta de desenvolvimento energético, só cresceram).

Nas últimas semanas, o governo intensificou o discurso (e por isso eu falo em virada de chave) sobre a importância de reduzir os subsídios e distorções que pressionaram para cima as contas de luz dos brasileiros.

Uma das ações que estão sendo preparadas pelo governo para reduzir impactos é a medida provisória do setor elétrico, que deve ser editada até o final deste mês.

O que o texto pode trazer, segundo apurei com fontes do setor (o Ministério de Minas e Energia não confirma porque o debate ainda está em curso e o texto não está fechado):

  • Remanejamento de recursos para reduzir o impacto do reajuste contratual de energia do Amapá previsto para 2024 (esses recursos não seriam do Tesouro, mas remanejados da privatização da Eletrobras, para reduzir os empréstimos das contas Covid e de Escassez Hídrica do Amapá, que pressionam a tarifa)
  • Remanejamento de outros recursos, como fundos setoriais, para reduzir o impacto do reajuste contratual de energia do Amapá previsto para 2024
  • Redução da extensão dos benefícios para GD (Geração Distribuída) incluída na Câmara na aprovação do marco da energia renovável em alto-mar (texto ainda precisa ser analisado pelo Senado)

A medida provisória deve trazer soluções emergenciais para resolver problemas pontuais, como:

(1) a explosão da tarifa de energia do Amapá, que vinha sendo represada por problemas estruturais e, seguindo o que está no contrato com a distribuidora, seria de 34% para 2024 (o reajuste aconteceria em dezembro, mas a Aneel adiou a decisão em 45 dias, prazo que termina no final de janeiro)

Continua após a publicidade

(2) os subsídios incluídos no marco na energia renovável em alto-mar aumentando em R$ 39 bi ao ano os custos das contas de luz do mercado regulado

Além destas, outras medidas estão em estudo pelo governo. Nesta quinta-feira (18), o secretário de Reformas Econômicas do Ministério da Fazenda, Marcos Barbosa Pinto, disse, em entrevista ao jornal O Globo, que o governo fará uma revisão geral dos subsídios embutidos nas contas de luz, estimados em R$ 37 bilhões em 2024, representando quase 15% do valor das contas.

Ele não elencou quais medidas, mas o setor de energia aponta alguns caminhos:

  • Redistribuir os custos de confiabilidade do sistema elétrico, hoje só pagos pelo mercado regulado. O que isso significa? Para ter um sistema elétrico confiável e seguro, que tenha energia mesmo em eventos extremos, as distribuidoras são obrigadas a comprar energia de várias fontes, como termelétricas, da hidrelétrica de Itaipu, nuclear da Eletronuclear, que são mais caras do que as renováveis. O mercado livre, pela legislação atual, não precisa arcar com esse custo. A ideia é distribuir esse custo entre os consumidores do mercado regulado e livre, já que todos se beneficiam da confiabilidade do sistema.
  • Redistribuir o custo da sobrecontratação pelas distribuidoras. A energia comprada pelas distribuidoras em contratos de longo prazo e não vendida aos clientes é liquidada a um preço muito baixo, o que provoca um desbalanceamento do fluxo de pagamentos. Como as distribuidoras precisam ter sempre equilíbrio econômico-financeiro, esse realinhamento é feito nos reajustes anuais.
  • Evitar ampliação dos descontos para o consumidor de fonte renovável, que acabam indo para a CDE (Conta de Desenvolvimento Energético), pressionando as tarifas.

Procurados, os ministérios não confirmaram quando e quais medidas irão priorizar.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes