Dólar salta mais de 2% e fecha acima de R$ 4, no maior valor em três meses

Do UOL, em São Paulo

dólar comercial chegou a subir mais de 3% durante esta segunda-feira (4), mas depois reduziu um pouco o avanço e fechou a primeira sessão de 2016 em alta de 2,18%, a R$ 4,034 na venda.

É o maior valor de fechamento desde 29 de setembro, quando a moeda norte-americana valia R$ 4,059.

Na última sessão de 2015, a moeda norte-americana subiu 1,83% e encerrou o ano com alta de 48,5%. 

Cenário internacional

Os investidores estavam preocupados com a economia da China, após dados fracos sobre a indústria do país.

Uma pesquisa mostrou que a indústria do país encolheu em dezembro, pelo 10º mês seguido.

Os dados tiveram efeito na Bolsa de Valores chinesa, que despencou 7%. Com isso, as negociações das ações foram suspensas pela primeira vez.

A desaceleração da China preocupa porque o país é um dos maiores importadores do planeta e um dos maiores compradores de matérias-primas (chamadas de commodities), como ferro e petróleo. Portanto, quanto o ritmo da economia chinesa diminui, isso afeta toda a economia mundial.

A China também é um grande exportador, e dados econômicos têm mostrado um ritmo mais lento também nesse indicador.

"Se a China está ruim, os países que dependem da China vão no mesmo barco", disse gerente de câmbio da Treviso, Reginaldo Galhardo, à agência de notícias Reuters.

Os investidores também estavam preocupados com a queda do petróleo.

Ainda do exterior, dados mostraram que o setor industrial nos Estados Unidos contraiu ainda mais em dezembro, com o dólar forte prejudicando as exportações. Além disso, os gastos com construção tiveram a primeira queda em quase um ano e meio em novembro.

Cenário nacional

No Brasil, o pessimismo com o cenário político acentuou ainda mais a alta do dólar. O recesso no Congresso Nacional adia a decisão de medidas importantes para a busca do ajuste das contas públicas.

Entre as medidas a serem analisadas pelo Congresso após a volta do recesso está a retomada da CPMF, prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2016 e necessária nos cálculos do governo para fechar o ano com a meta de economizar 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto).

Atuações do BC

O Banco Central fez nesta sessão o primeiro leilão de rolagem dos contratos de swap cambial tradicional (equivalentes à venda futura de dólares) que vencem em 1º de fevereiro, com oferta de até 11,6 mil contratos.

Na operação, o BC rolou o equivalente a US$ 563,4 milhões, ou cerca de 5% do lote total, que corresponde a US$ 10,431 bilhões.

Se mantiver esse ritmo até o penúltimo dia útil deste mês, como de costume, o BC rolará integralmente o lote de fevereiro, como fez nos cinco meses anteriores. 

Os leilões de rolagem servem para adiar os vencimentos de contratos que foram vendidos no passado.

(Com Reuters)

 

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos