Bolsas

Câmbio

Dólar fecha em queda, a R$ 3,223, com preocupação política e juros nos EUA

Do UOL, em São Paulo

Após começar o dia em alta, o dólar comercial mudou de sentido à tarde e fechou esta quarta-feira (24) em queda de 0,33%, cotado a R$ 3,223 na venda. Na véspera, a moeda norte-americana havia subido 1%.

Com isso, o dólar acumula desvalorização de 0,62% no mês e de 18,37% no ano.

A sessão foi marcada por preocupações com as contas públicas no Brasil e com a possibilidade de alta dos juros nos EUA.

Ajuste das contas públicas

Investidores continuam preocupados com as contas públicas. Na madrugada desta quarta-feira, o Congresso Nacional aprovou o texto-base da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2017, na versão proposta pelo presidente interino, Michel Temer.

Apesar da vitória, o governo Temer tem enfrentado dificuldades para conseguir apoio de parlamentares e aprovar medidas de ajuste das contas públicas, em especial o projeto que limita o crescimento das despesas federais.

"O governo sofre para aprovar matérias consideradas pouco polêmicas na Câmara e no Senado. Essa sinalização é péssima para quem tem grandes desafios pela frente", escreveram analistas da corretora Lerosa Investimentos em relatório.

A maioria dos investidores, no entanto, aposta que o governo vai endurecer sua postura caso o impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff, seja confirmado. A última etapa do julgamento no Senado está marcada para começar nesta quinta-feira (25).

Atuação do BC

Outro fator que tem levantado dúvidas no mercado é a postura do Banco Central no mercado de câmbio. Nesta sessão, o BC voltou a vender 10 mil swaps reversos, contratos que equivalem à compra futura de dólares.

Investidores querem saber se o governo vai tentar evitar quedas mais fortes do dólar. A moeda barata demais pode atrapalhar a recuperação econômica porque prejudica as exportações e impulsiona as importações. Por outro lado, o dólar alto faz a inflação acelerar.

Juros nos EUA

No exterior, investidores continuavam à espera do discurso da presidente do Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos), Janet Yellen, previsto para sexta-feira (26).

O mercado aguarda novas pistas sobre a possibilidade de os juros subirem ou não neste ano nos EUA.

"O evento mais importante da semana é o discurso de Yellen na sexta-feira. Se não tivermos muitas surpresas até lá, o mercado vai evitar grandes movimentos", disse à agência de notícias Reuters o operador da corretora Correparti Ricardo Gomes da Silva.

Juros mais altos nos EUA podem atrair para lá recursos atualmente aplicados em países onde as taxas são maiores, como o Brasil.

(Com Reuters)

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos