ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Cotações

Ação de fabricante de armas Taurus salta 140% em 1 mês; é efeito Bolsonaro?

Vinicius Pereira

Colaboração para o UOL, em São Paulo

21/09/2018 04h00

As ações da fabricante de armas e munições Taurus (FJTA3, FJTA4) vêm se destacando entre as maiores altas na Bolsa de Valores nos últimos dias. Em um mês, as ações preferenciais da empresa mais que dobraram de valor.

De acordo com especialistas consultados pelo UOL, essa disparada recente pode estar ligada ao desempenho do candidato Jair Bolsonaro (PSL) nas pesquisas eleitorais recentes. No entanto, não é possível cravar essa relação. 

É o efeito Bolsonaro. À medida que ele vai consolidando esse primeiro lugar com um discurso baseado no armamento da população, acaba valorizando tal papel
Álvaro Frasson, analista da Spinelli Corretora

Em 22 de agosto, quando Bolsonaro marcava 22% das intenções de voto na pesquisa divulgada pelo Datafolha, por exemplo, os papéis preferenciais da Taurus (FJTA4) valiam R$ 2,24. Cerca de um mês depois, nesta quinta-feira (20), nova pesquisa Datafolha trouxe o candidato do PSL com 28% das intenções de voto e isolado na liderança. As mesmas ações fecharam a R$ R$ 5,30 --alta de 136,6%.

Leia também:

A Taurus é uma das três principais fabricantes de armas leves do mundo e exporta armamento de uso civil e militar para mais de 70 países, segundo a empresa. Também produz capacetes e acessórios, além de peças para a indústria automobilística.

O deputado do PSL já declarou diversas vezes em seu programa de governo que pretende reformular o Estatuto do Desarmamento, lei que coibiu a comercialização de armas, em 2003. Dessa forma, a companhia que fabrica armas e munições aumentaria seu mercado.

Alta acelerou após facada

"A gente não acompanha esse papel normalmente, mas desde a facada [que Bolsonaro levou no dia 6 de setembro], o papel ganhou ainda mais força, já que ele começou a se manter na liderança", disse Frasson. Do dia do atentado contra Bolsonaro até esta quinta, o papel se valorizou 96%.

Para Johnny Mendes, professor do curso de Economia da Faap, a brusca variação das ações da Taurus é cíclica e acontece quase todo ano. Neste ano, porém, o fator Bolsonaro vem "anabolizando" essa alta.

"Faz todo o sentido de ser real, se tal influência [das pesquisas] se confirmar. Mas é difícil cravar, até porque, em todo ano, tem algo parecido com isso", disse ele.

Ação barata e movimento especulativo

Para Pedro Galdi, analista da Mirae Asset Corretora, não dá para cravar a influência do desempenho de Bolsonaro na alta recente das ações da Taurus. Segundo ele, a especulação em cima de um papel barato justifica muito mais tal crescimento.

O mercado começa a garimpar ações baratas. A hora que começa a ter muita demanda, ela vai começando a subir e chama mais atenção de outros especuladores, que se juntam e fazem as ações subirem ainda mais
Pedro Galdi, analista da Mirae Asset Corretora

"Esses papéis que têm alguma relação com o candidato que está na frente logicamente vão começar a chamar a atenção de outros especuladores", disse.

Segundo ele, como a Bolsa está barata em relação ao dólar, muitas oportunidades surgem. "O papel estava muito barato em dólar, com pouca liquidez [negociação], e quando veio um movimento um pouco mais forte, fez subir", disse Galdi.

Órgão regulador pediu explicações

Em 5 de setembro, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão que regula o mercado acionário no país, pediu explicações à companhia sobre as movimentações atípicas das últimas semanas. 

Em nota, a Taurus afirmou ao órgão que "desconhece qualquer fato ou ato relevante que possa ter influenciado a oscilação de suas ações no que tange ao número de negócios ou quantidades negociadas".

Ficou tentado? Especialistas sugerem cautela

Para quem se interessou pela disparada das ações da Taurus, os especialistas consultados pela reportagem recomendaram ter cautela para investir. Segundo eles, é necessário entender primeiro o movimento dos papéis para, só então, colocar algum dinheiro na empresa.

Se você não entende o que está acontecendo, é melhor não entrar, e pode ser não justificado, pois essas ações pequenas são muito sujeitas à especulação
Marcelo D'Agosto, economista especializado em administração de investimentos

"Qualquer história atrai capital especulativo. Bolsonaro seria eleito e, então, essa empresa vai ganhar mais dinheiro? Isso é muito vago", afirmou.

Polêmicas envolvendo a empresa

Em julho, a CVM condenou Edair Deconto, ex-diretor não estatutário da Forjas Taurus e membro do Comitê de Auditoria e Riscos da companhia, a multa de R$ 200 mil. Ele foi acusado de negociar ações da empresa de posse de informações privilegiadas.

A empresa também foi alvo de ações na Justiça pedindo um recall e o pagamento de indenizações porque algumas armas teriam risco de disparar acidentalmente caso caíssem no chão. Houve uma ação civil pública e uma ação criminal no Distrito Federal, bem como em Sergipe. Nos processos, a empresa negou haver qualquer defeito de fabricação em seus produtos.

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Cotações