IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Cotações


Ação da Vale sobe mais de 1%, após cair 24% na véspera; Bolsa opera em alta

Do UOL, em São Paulo

29/01/2019 10h16Atualizada em 29/01/2019 17h51

Após forte queda na véspera, as ações da mineradora Vale (VALE3) operavam em alta nesta terça-feira (29), na segunda sessão após o rompimento de uma barragem de rejeitos da companhia em Brumadinho (MG). Por volta das 16h50, os papéis subiam 1,82%, a R$ 43,15. Na segunda-feira (28), as ações fecharam em queda de 24,52%, a R$ 42,38. 

No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, avançava 0,67%, a 96.085,55 pontos. Na véspera, a Bolsa fechou em baixa de 2,29%, a 95.443,88 pontos, na maior queda percentual diária em um mês e meio, desde 10 de dezembro (-2,5%).

O rompimento da barragem despejou milhões de metros cúbicos de lama na região do Córrego do Feijão, destruindo instalações da empresa e arrasando uma comunidade local. Dezenas de pessoas morreram e há centenas desaparecidas.

Agência rebaixa nota da mineradora

A agência de classificação de risco Fitch rebaixou a nota da Vale para "BBB-" na noite de segunda-feira. O rebaixamento, segundo a Fitch, reflete a expectativa de que a companhia terá de arcar com pesados custos de reparação da tragédia.

Nesta terça, foi a vez da Moody's colocar a nota da mineradora em perspectiva negativa, ou seja, com possibilidade de rebaixamento em breve. O mesmo já havia sido feito pela S&P no último sábado (26).

Vale suspende pagamento de dividendos e bônus

Após o rompimento da barragem, a Vale suspendeu sua política de remuneração aos acionistas. Na prática, a empresa decidiu não pagar dividendos e juros sobre o capital próprio, além de bônus a seus executivos.

Em comunicado divulgado na noite de domingo (27), a empresa também informou que está suspensa qualquer deliberação sobre a recompra de ações. Não foi informado por quanto tempo vale a suspensão.

Mercado de minério de ferro

O desastre de Brumadinho criou incertezas para o mercado de minério de ferro da China, em um momento em que a procura produto brasileiro está aumentando, disseram vários operadores chineses nesta segunda-feira. A Vale é a maior produtora mundial de minério de ferro com baixo teor de alumínio, o preferido das usinas chinesas devido ao seu baixo nível de impureza.

O rompimento da barragem no Córrego do Feijão é o segundo incidente em uma mina da Vale desde 2015, quando uma barragem de rejeitos em uma mina da Samarco se rompeu e causou o maior desastre ambiental da história da mineração no país. A Vale é uma das donas da Samarco, junto com a australiana BHP Billiton.

(Com Reuters)

Veja o caminho percorrido pela lama da barragem de Brumadinho

Mais Cotações