IPCA
0.01 Jun.2019
Topo

Empreendedorismo


Loja que vende produtos de R$ 3 abre franquia que custa até R$ 2,5 milhões

Divulgação
A rede japonesa Miniso tem 40 lojas no Brasil, seis são franquias Imagem: Divulgação

Paulo Gratão

Colaboração para o UOL, em São Paulo

2019-03-06T04:00:00

06/03/2019 04h00

Disposta a chegar a todos os cantos do país, a Miniso, loja japonesa de artigos de decoração e produtos que custam a partir de R$ 3, anunciou sua entrada no mercado de franquias. A meta é ter cem lojas neste ano. O valor para ter uma unidade da marca pode chegar a R$ 2,5 milhões, segundo estimativa da própria empresa.

A rede começou a operar no Brasil em 2017 e foi apontada como concorrente direta da Daiso, que já estava por aqui desde 2012. Logo deixou de viver à sombra da rival: hoje tem 40 lojas abertas, sendo seis franquias, contra pouco mais de 30 unidades da concorrente.

A Miniso foi fundada em 2013, em Tóquio. A empresa afirma abrir entre 80 e 100 lojas por mês no mundo todo e diz estar presente em 78 países, com mais de 3.000 unidades, no total.

Franchising em todos os países

De acordo com Rafael Arantes da Silva, diretor de Marketing da empresa no Brasil, o franchising é adotado em todos os países. "O modelo é um dos melhores para investimento, pois é seguro e fácil, o investidor só precisa seguir os passos da franqueadora", afirmou.

Segundo o executivo, a formatação para o modelo de franquia foi simples para a rede, pois a produção e distribuição de produtos é própria.

Com esse passo, a Miniso se junta as 2.877 marcas de franquia em operação no Brasil, segundo a ABF (Associação Brasileira de Franchising). O setor faturou R$ 174,8 bilhões em 2018, alta de 7,1% em relação ao ano anterior.

Divulgação
A Miniso vende produtos variados, com preços a partir de R$ 3 Imagem: Divulgação

Investimento de R$ 1,5 mi a R$ 2,5 mi

Para enfrentar a concorrência, a aposta da marca é ter a maior quantidade de pontos possível. A busca é por franqueados que se responsabilizem pela operação do ponto --a estrutura é fornecida pela matriz.

Os pontos devem ser em regiões comerciais ou de grande circulação de pessoas, com, no mínimo, 150 m² e fachada superior a 6 metros.

Confira os dados fornecidos pela empresa:

  • Investimento inicial (inclui taxa de franquia, capital de giro, reforma e estoque): de R$ 1,5 milhão a R$ 2,5 milhões
  • Capital de giro: R$ 100 mil
  • Royalties: R$ 5.000 por mês
  • Taxa de propaganda: Já incluso no valor dos royalties
  • Faturamento médio mensal: R$ 500 mil
  • Lucratividade média mensal: 10%
  • Retorno de investimento: 24 a 36 meses

Investimento alto é arriscado

O modelo da Miniso é semelhante ao das lojas de preços populares, famosas nos anos 1990 como "lojas de R$ 1,99". O segredo desse tipo de negócio é a compra massiva de produtos com os fabricantes para negociar melhores preços, segundo o especialista em franquias Gabriel Villarreal, sócio do escritório Villarreal Advogados.

O modelo de franquia facilita a rápida distribuição e venda dos itens, sem o investimento da própria empresa, segundo ele. "Nesse contexto, essa expansão faz todo sentido para o franqueador, porém é necessário que também o franqueado seja beneficiado nesse processo."

O alto valor de investimento deve ser observado com cuidado pelos interessados. O empreendedor deve avaliar bem dados como faturamento médio estimado e margem de lucro para calcular o prazo para retorno do valor desembolsado.

Além de checar os números fornecidos pela empresa, é interessante contatar franqueados atuais. A listagem deve ser entregue pela empresa junto à COF (Circular de Oferta de Franquia).

"Esses números são estimativas e devem ser calculados com critério e sem romantismo. Além dessa avaliação, é importante conhecer bem a empresa franqueadora para saber se possui estrutura, governança e equipe dedicada para as atividades da franquia", afirmou.

Divulgação
Venda por impulso pode ser diferencial da marca, mas giro precisa ser alto Imagem: Divulgação

Pontos de atenção para o franqueado

Lojas como a Miniso trabalham com dois aspectos importantes do comportamento de consumo: necessidade/utilidade e impulso. De acordo com o especialista, a expansão via franquias mostra que a rede pretende se posicionar como uma loja em que o consumidor sabe que vai encontrar um produto pontual, que dificilmente seria vendido em outro lugar. Da mesma forma, a variedade é uma "tentação" para clientes que se deixam levar pelo impulso.

No entanto, negócios que envolvem produtos com preço baixo precisam necessariamente de muitas vendas. Considerando isso e o alto valor de investimento inicial, Villarreal lista os principais pontos de atenção aos interessados na franquia:

  • Margem de lucro dos produtos (vale a pena solicitar a avaliação de um especialista para checar a viabilidade)
  • Peso das taxas periódicas (royalties, por exemplo) no faturamento da unidade
  • Adequação dos custos fixos, especialmente o aluguel do espaço
  • Escolha do ponto comercial, em função da necessidade do alto tráfego de pessoas
  • Adequação do mix de produtos da unidade ao perfil específico do público regional e local, focando nos aspectos de necessidade, utilidade e impulso

Onde encontrar: https://www.loveminiso.com.br/franquias

51,5% dos empreendedores brasileiros são mulheres

Band Notí­cias

Mais Empreendedorismo