Bolsas

Câmbio

Austrália testa jornada de 5h de trabalho; será que daria certo no Brasil?

Natalia Gómez

Colaboração para o UOL, em Maringá (PR)

  • Getty Images

Trabalhar todos os dias das 8h às 17h pode ser considerado comum no Brasil, mas esse modelo já está sendo questionado em outros países, como Austrália, Estados Unidos e Suécia, onde jornadas mais leves têm sido tema de debates ou experiências práticas.

Uma empresa da Austrália está praticando e gostando dos resultados. Será que daria certo no Brasil? Pelo menos uma empresa nacional experimentou e também aprovou (leia mais abaixo). Mas consultores duvidam que isso possa ser feito em larga escala aqui num futuro breve.

Leia também:

Os defensores do dia de trabalho mais curto argumentam que trabalhar menos horas por dia é benéfico para a produtividade e também para a saúde dos profissionais, enquanto a jornada de oito horas causa um grande desperdício de tempo com atividades que interrompem o fluxo de trabalho. Além da parada para o cafezinho e a conversa no corredor, as redes sociais são grandes vilões da produtividade.

Empresa brasileira tem jornada de 6 horas -e aprova

De acordo com o especialista Christian Barbosa, experiências feitas com o uso de um software que monitora as atividades de equipes apontam que, em média, apenas 65% do dia é produtivo.

"Claro que ninguém está falando de a pessoa trabalhar oito horas seguidas como se fosse um robô. É natural haver uma quebra da rotina. O problema é que, para obtermos oito horas de trabalho efetivo, acabamos trabalhando dez ou 12 horas", afirmou Barbosa, que é diretor-executivo da TriadPS, consultoria especializada em produtividade corporativa.

Ele disse que reduziu de oito horas para seis horas a carga horária da sua empresa de software, a Neotriad, sem que houvesse impacto nos resultados. "O que eles produziam em oito horas produzem em seis horas com a mesma qualidade e eficiência. Só que, com uma jornada menor, sobra menos tempo para a improdutividade, aumentam-se o foco e por consequência a produtividade."

Tendência no exterior

Experiências como a da Neotriad têm ocorrido em outros países. Algumas vezes a iniciativa parte da necessidade de dar mais atenção à vida pessoal, como foi o caso do presidente da consultoria australiana Collins SBA. Ele reduziu sua jornada de trabalho para cinco horas depois que sua mulher iniciou um tratamento contra o câncer, ao mesmo tempo em que cuidava de um recém-nascido.

Segundo o jornal "Financial Times", todos os funcionários da empresa passaram a trabalhar cinco horas por dia sem redução de salários. O teste, iniciado no ano passado, deu tão certo que a empresa continua trabalhando dessa forma até hoje.

Risco para saúde

Ainda na Austrália, a relação entre trabalho e saúde chamou atenção da Australian National University, que concluiu em uma pesquisa que trabalhar mais de 39 horas por semana coloca em risco a saúde dos trabalhadores.

O risco é ainda maior para mulheres, segundo o responsável pela pesquisa, Huong Dinh, porque elas têm uma carga maior de trabalho não remunerado em casa. "Devido às demandas extras colocadas sobre as mulheres, é impossível que elas trabalhem o longo período exigido pelos empregadores sem comprometer a saúde", afirmou o responsável pela pesquisa, que analisou informações de cerca de 8.000 australianos.

Reduzir a jornada custa caro

Um estudo de grande repercussão mundial sobre o tema foi feito na Suécia, onde a jornada de enfermeiras assistentes de uma casa de repouso na cidade de Gotemburgo foi reduzida de oito para seis horas diárias, sem redução de salário. Os resultados mostraram que a experiência foi benéfica tanto para as enfermeiras quanto para os pacientes.

No entanto, o grande empecilho para a redução das jornadas é o aumento do custo para o empregador, pois em muitos casos é necessário contratar mais pessoas. Segundo o diretor jurídico da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), Wolnei Ferreira, nos últimos anos, países como França e Alemanha sofreram com maiores custos e perda de competitividade depois que reduziram as cargas horárias dos trabalhadores.

"Esses países reduziram a jornada por acreditar que aumentaria a produtividade, mas não geraram empregos e ainda sofreram com custo maior de mão de obra", afirmou.

Tema de livro nos EUA

O assunto polêmico tem sido tema de debates nos últimos anos, dando origem até mesmo a livros nos Estados Unidos, como o "The Five Hour Workday" (A jornada de cinco horas por dia), do empreendedor norte-americano Stephan Aarstol, que defende que a jornada de trabalho de oito horas está ultrapassada.

"Hoje, estamos no meio de uma enorme mudança de produtividade para os trabalhadores do conhecimento. E, ainda assim, o dia de trabalho de oito horas não mudou", afirma no livro, lançado em 2016.

Outra referência no assunto é o livro "Rest: Why You Get More Done When You Work Less" (Descanse: Por que você faz mais quando trabalha menos), de 2017, do consultor norte-americano Alex Soojung-Kim Pang, que questiona o excesso de trabalho e defende que trabalhar menos e descansar mais é positivo para a produtividade.

Brasil é mais conservador

Enquanto o debate sobre a jornada de trabalho é intenso no exterior, no Brasil o tema ainda está fora da pauta das empresas. Segundo especialistas em gestão de pessoas consultados pelo UOL, a tendência no mercado brasileiro é de flexibilizar o trabalho, mas sem reduzir a carga horária. "As pessoas querem fazer seus horários, mas mantendo a jornada de oito horas diárias", afirmou a diretora de Right Management da consultoria de recursos humanos ManpowerGroup, Wilma Dal Col.

Algumas das alternativas oferecidas pelas empresas no Brasil são o home office, os horários alternativos de entrada e saída e a sexta-feira "flex", com carga horária reduzida e compensada ao longo da semana. "As empresas têm adotado esses modelos, que trazem mais engajamento e resultado", disse. Segundo ela, essas iniciativas são mais comuns em empresas globais.

O principal motivador da flexibilidade no mercado brasileiro tem sido as empresas mais jovens, principalmente startups. Por oferecerem formatos de trabalho mais inovadores, essas companhias estão atraindo talentos das empresas globais, o que forçou a aceitação de novos modelos. "As startups estão incomodando as empresas mais tradicionais e empurrando as grandes empresas para esse movimento de mercado", declarou Larissa Laibida, gerente de negócios da consultoria de recrutamento Robert Half.

A especialista disse não descartar que a redução de jornada possa ocorrer no futuro no Brasil, mas acredita que deve levar muito tempo. "Não acredito que verei isso no mercado brasileiro antes de me aposentar", afirmou. Além de uma alteração da legislação trabalhista, a adaptação cultural nas empresas é o grande empecilho para a mudança na jornada de trabalho, disse.

Especialista dá dicas sobre o que vestir ou não no trabalho

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos