IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Finanças pessoais


Fundo imobiliário tem as mesmas vantagens de comprar casa e é isento de IR

Getty Images
Imagem: Getty Images

Téo Takar

Do UOL, em São Paulo

26/03/2019 04h00

Os fundos imobiliários estão na moda nos bancos e corretoras. Quase toda semana surge um novo produto na praça. Vale a pena? Ou é melhor comprar imóvel?

O brasileiro tem uma longa tradição de investir em imóveis. Quem nunca ouviu um parente recomendar a compra de uma casa para ter uma renda garantida com aluguel ou a segurança de ter um bem físico? O fundo imobiliário tem essas vantagens e outras adicionais: isenção de imposto sobre os rendimentos e maior liquidez.

O que é o fundo?

O Fundo de Investimento Imobiliário (FII) reúne interessados em investir em imóveis com determinadas características.

Cada investidor recebe uma ou mais cotas, que podem ser negociadas no mercado. O fundo possui um gestor, responsável por selecionar os imóveis e garantir a melhor rentabilidade.

Quais os tipos de fundos?

  • De tijolo: Compra diretamente os imóveis. Há subtipos, que correspondem ao empreendimento investido, como shoppings, hospitais, agências bancárias, prédios comerciais, centros de distribuição, condomínios residenciais.
  • De papel: Investem em títulos financeiros vinculados ao mercado imobiliário, como as LCIs (Letras de Crédito Imobiliário) e os CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários). Esses papéis, por sua vez, estão lastreados em algum tipo de recebível (pagamento), como aluguéis.
  • Fundos de fundos: Variação dos fundos de papel. Investem em cotas de outros fundos imobiliários, aproveitando o rendimento gerado por eles e eventual valorização das cotas.

Quais as vantagens?

Enquanto vender uma casa pode levar meses, no fundo imobiliário você transforma seu investimento em dinheiro em questão de dias. Ou seja, a liquidez é maior.

Outra vantagem do fundo é tributária. O rendimento do aluguel gerado por um imóvel está sujeito ao Imposto de Renda com tabela progressiva (alíquota sobe conforme o valor aumenta).

No fundo, o investidor pessoa física é isento de IR. Há cobrança de imposto de 20% apenas sobre a eventual valorização das cotas no momento da venda.

Vale a pena?

É uma opção para quem busca diversificar suas aplicações e ampliar a rentabilidade sem correr grandes riscos.

Os fundos são uma forma de se proteger contra a inflação porque os contratos de aluguel estão vinculados a índices como IGP-M e o IPCA. A rentabilidade média real (já descontada a inflação) oscila entre 5% e 7% ao ano.

Como investir?

Por uma corretora, do seu banco ou independente. Há duas formas de comprar cotas de fundos.

Uma delas é a oferta primária, que corresponde ao lançamento do fundo no mercado ou a uma nova emissão de um fundo já existente. Você faz uma reserva na corretora e alguns dias depois o dinheiro é convertido nas cotas que, depois, podem ser vendidas na Bolsa.

A vantagem é o maior potencial de valorização das cotas. A desvantagem é a falta de histórico sobre o fundo, o que aumenta o risco. É recomendável ler a documentação do fundo e conhecer o gestor.

A outra, mais comum, é comprar cotas diretamente na Bolsa. Há cerca de 170 fundos listados na B3. A forma de negociação das cotas é similar à de ações. Basta conhecer o código do fundo e lançar a ordem com a quantidade de cotas desejada na plataforma da corretora.

Quais os riscos?

Os principais riscos dos fundos são o inquilino não pagar o aluguel ou o imóvel ficar vago. Fundos que investem em apenas um imóvel têm risco maior. "É importante saber quais imóveis estão na carteira, sua localização e como está o mercado na região para aquele tipo de imóvel", disse Gustavo Bueno, chefe da área de fundos imobiliários da XP Investimentos.

Há também o risco relacionado às oscilações do mercado. Mudanças nas expectativas econômicas, como o aumento da taxa de juros, podem fazer as cotas perderem valor.

Por fim, há o risco de liquidez. Embora ele seja menor que o de um imóvel físico, você pode levar alguns dias para vender suas cotas ou ter que vendê-las com desconto para fechar negócio. Segundo Bueno, dos 170 fundos listados, apenas cerca de 30 possuem liquidez diária.

Gostou deste texto? Assine a newsletter UOL Investimentos para receber informações como esta em primeira mão no seu email.

Procon exige que empresa explique finanças de Bettina

Band Notí­cias

Mais Finanças pessoais