IPCA
0,46 Jun.2024
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Vale a pena vender o imóvel e investir o dinheiro? Descubra

Primeiro passo para saber se vale vender o imóvel e investir o dinheiro é descobrir quanto você receberia por ele - Getty Images/iStockphoto/Zephyr18
Primeiro passo para saber se vale vender o imóvel e investir o dinheiro é descobrir quanto você receberia por ele Imagem: Getty Images/iStockphoto/Zephyr18

14/01/2022 04h00

Recentemente, tomei a decisão de vender meu apartamento e investir o valor em aplicações financeiras.

Fazer isso pode ser bom para algumas pessoas, mas não para todas.

Na coluna de hoje eu explico os quatro passos necessários para você saber se, no seu caso, é melhor ter um imóvel próprio ou aplicar o dinheiro.

1. Descubra quanto você receberia pelo seu imóvel

O primeiro passo é saber quanto você receberia, aproximadamente, na venda do seu imóvel.

Para começar, você pode fazer uma busca por imóveis similares na internet, na mesma região do seu, e já passar para o passo 2.

Mas se você quiser um dado mais preciso, é só anunciar gratuitamente em sites como Quinto Andar, Em Casa ou Loft, e aguardar até receber uma proposta. Somente assim você vai ter certeza de que alguém pagaria aquele preço pela sua casa ou apartamento.

Com esse dado em mãos, é necessário descontar a comissão do corretor de imóveis (em geral, de 6% a 8%, dependendo do seu Estado) e o Imposto de Renda (de 15% sobre o lucro).

Por exemplo, se você vai vender um apartamento em São Paulo por R$ 500 mil, provavelmente pagará R$ 30 mil à imobiliária (6% de R$ 500 mil).

Em cima do valor restante (R$ 470 mil), calcula-se o lucro. Digamos que você tenha comprado o apartamento dois anos antes por R$ 400 mil. Nesse caso, o lucro seria de R$ 70 mil.

Sendo assim, seu IR ficaria em R$ 10,5 mil, e você receberia pelo imóvel um valor líquido de R$ 460 mil, aproximadamente.

2. Estime a rentabilidade mensal

O segundo passo é estimar quanto você poderia conseguir de rendimento mensal ao aplicar o dinheiro que receberia com a venda do imóvel. Você pode investir em uma aplicação segura, como o Tesouro Direto, ou em uma um pouco mais arrojada, como o fundo de investimento imobiliário.

O Tesouro Direto, atualmente, está rendendo 5,67% ao ano além da inflação. Investindo R$ 460 mil, tem-se um retorno de R$ 26 mil por ano, ou R$ 2.173 por mês, em média.

Já em fundos imobiliários, atualmente, é possível ter um retorno próximo de 1% ao mês atualmente, o que daria em torno de R$ 4.500.

Claro que você pode escolher aplicações mais arriscadas, mas, se o objetivo não é especular, e sim usar o dinheiro para pagar o seu futuro aluguel, esses dois investimentos cumprem bem essa função.

3. Entenda o custo invisível do seu imóvel

O terceiro passo é o que as pessoas mais costumam esquecer. Para saber se vale a pena vender seu imóvel e investir o dinheiro, é necessário comparar o custo de morar de aluguel com o custo de morar na sua propriedade.

O custo de ter um imóvel próprio não se resume aos gastos de manutenção nem ao condomínio.

É preciso incluir nessa conta o valor que você está deixando de ganhar por não manter o seu dinheiro aplicado.

Vamos continuar no exemplo da pessoa que teria R$ 460 mil a receber pelo apartamento. Vimos que ela poderia ganhar cerca de R$ 4.500 por mês se investisse o valor em fundos imobiliários.

Digamos que essa pessoa, morando no imóvel próprio, gaste em média R$ 2.000 por mês em condomínio, IPTU, manutenção e seguro residencial.

Nesse caso, o custo será de R$ 2.000 mais R$ 4.500, o que dá R$ 6.500 por mês.

Os R$ 4.500 são o que eu chamei de custo invisível, mas que na economia é conhecido como custo de oportunidade. Nada mais é do que o dinheiro que você poderia receber mensalmente se não estivesse aplicado no imóvel.

4. Compare com o custo do aluguel

Agora vem a parte mais fácil e interessante. Procure casas ou apartamentos para alugar que tenham um custo mensal igual ao custo total do seu imóvel próprio.

No nosso exemplo, seria o caso de pesquisar imóveis em que o aluguel, o IPTU, o condomínio e a taxa imobiliária somem R$ 6.500 por mês.

A partir daí, é só decidir o que prefere: manter o seu lar atual ou morar em um desses que pesquisou.

Riscos

Lembre-se de que o investimento em fundos imobiliários tem riscos. Um FII que hoje paga 1% ao mês pode, de um mês para o outro, reduzir ou aumentar essa remuneração. Por isso é importante diversificar.

Também não se esqueça de que manter o seu imóvel também tem riscos. Seu apartamento pode se desvalorizar se, por exemplo, for construído um viaduto na frente dele, aumentando o barulho e a poluição na região.

Mas ele também pode se valorizar, caso melhore a qualidade de vida no seu entorno.

Questão de cada um

Você viu que nos dois cenários (ter um imóvel próprio ou morar de aluguel) existe algum grau de imprevisibilidade.

Além disso, essa questão depende muito do estilo de vida de cada um. Para uma família que pretende morar por muito tempo no mesmo lugar, ter o próprio imóvel tende a ser mais seguro.

Já para quem não se importa se precisar mudar de tempos em tempos, morar de aluguel pode ser mais interessante.

Dúvidas?

Tem alguma dúvida sobre investimentos em geral? Mande para o meu e-mail: silvio.crespo@gmail.com. Sua pergunta poderá ser tema desta coluna no futuro.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.