IPCA
0,42 Mar.2024
Topo

Conheça 19 fundos imobiliários com rendimento acima da taxa de juros

Financiamento imobiliário fundo imobiliário fundos imobiliários FIIs imóvel imóveis casa própria - ArLawKa AungTun/iStock
Financiamento imobiliário fundo imobiliário fundos imobiliários FIIs imóvel imóveis casa própria Imagem: ArLawKa AungTun/iStock

05/08/2022 04h00

Existem hoje no Brasil 19 fundos de investimento imobiliário (FIIs) com rendimento superior ao da nova taxa básica de juros, a Selic, agora em 13,75% ao ano.

Na coluna de hoje você vai ver a lista completa desses FIIs e vai entender os cuidados que devem ser tomados ao comparar esse tipo de ativo com os investimentos de renda fixa.

Confira abaixo:

Os 19 FIIs com retorno acima da Selic

Os fundos imobiliários listados abaixo estão, hoje, com um retorno em dividendos (DY, na sigla em inglês) superior a 13,75% ao ano.

Isso significa que, para cada R$ 100 investidos neles hoje, você tende a receber R$ 13,75 na sua conta ao longo dos próximos 12 meses, se esses ativos mantiverem o ritmo atual de distribuição de proventos. Veja abaixo quais são eles:

  1. URPR11 20,1%
  2. KNIP11 17,7%
  3. VGHF11 17,6%
  4. ARCT11 17,1%
  5. VGIP11 17,1%
  6. VCJR11 16,9%
  7. HABT11 16,9%
  8. KNHY11 16,8%
  9. HCTR11 16,7%
  10. DEVA11 16,5%
  11. KNSC11 16,3%
  12. RECR11 15,4%
  13. VRTA11 15,0%
  14. RZAK11 14,8%
  15. CVBI11 14,5%
  16. IRDM11 14,4%
  17. CPTS11 14,2%
  18. MCHF11 14,2%
  19. RZTR11 14,0%

Para esse levantamento, considerei apenas os fundos imobiliários que movimentam mais de R$ 1 milhão por dia na Bolsa. Ativos pouco negociados oferecem um risco a mais para o investidor.

URPR11, o primeiro da lista

O fundo URPR11 (Urca Prime Renda) tem a proposta de trazer alto retorno aos investidores e, justamente por isso, oferece um risco relativamente mais alto do que a maioria.

Trata-se de um fundo de papel, ou seja, ao investir nele, você não se torna dono de imóveis, mas, sim, de créditos de financiamento imobiliário. Veja aqui as diferenças entre fundos de papel e de tijolo.

Em outras palavras, ao comprar uma cota do URPR11, você passa a receber uma parte do valor que os compradores de imóveis estão pagando aos bancos.

Portanto, se as pessoas que compraram imóvel por financiamento deixarem de pagar suas parcelas em dia, a tendência é que o seu rendimento mensal caia.

Outros destaques

O KNIP11 é outro fundo que frequentemente aparece nesta coluna. Trata-se do maior fundo imobiliário do país, com um patrimônio de R$ 6,8 bilhões.

É um dos primeiros FIIs em que eu investi. Mantenho-o na minha carteira e, sempre que posso, faço novos aportes. Também é de papel, mas tem uma proposta mais conservadora que o URPR11.

Além do KNIP11, também mantenho na minha carteira o VGIP11 e o VRTA11, entre os listados acima. Todos eles são defensivos em relação à inflação, por isso, nessa época de forte aumento de preços no país, têm oferecido um rendimento alto.

Cuidados ao comparar com renda fixa

Ao comparar a rentabilidade dos fundos imobiliários com a de investimentos de renda fixa (como Tesouro Direto e CDB), deve-se atentar para dois pontos importantes.

O primeiro é que os fundos imobiliários têm um risco mais alto. Mas no mercado financeiro é assim mesmo: em geral, para ganhar mais, é preciso arriscar mais.

Em uma coluna recente eu explico com mais detalhes quais são os riscos dos FIIs.

O segundo ponto é que os proventos pagos pelos FIIs são isentos de Imposto de Renda. Portanto, se um fundo imobiliário paga 13,75% ao ano, esse já é o rendimento líquido.

Já em um CDB ou no Tesouro, se descontarmos o IR, o rendimento líquido ficaria entre 10,7% e 11,7%.

Não é recomendação

Nenhuma informação deste ou de qualquer outro texto desta coluna deve ser vista como uma recomendação de compra ou de venda. Aqui eu apenas compartilho insights que tenho a respeito de investimentos.

Mesmo quando eu informo que invisto meu dinheiro em determinados ativos, não os estou recomendando. Cada um deve estar ciente dos riscos que está disposto a assumir.

Alguma dúvida?

Ficou alguma dúvida sobre este texto ou sobre investimentos em geral? Envie uma mensagem para o meu perfil no Instagram. Sua pergunta poderá ser respondida nesta coluna em breve.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.