IPCA
0,83 Abr.2024
Topo

Veja 3 formas de juntar R$ 1 milhão com a partir de R$ 600 por mês

Milionário: como chegar nesse valor em 30 anos - iStock/Jcomp
Milionário: como chegar nesse valor em 30 anos Imagem: iStock/Jcomp

03/03/2023 04h00

Você sabe quanto deveria investir por mês para juntar R$ 1 milhão?

Na coluna de hoje eu mostro qual seria o aporte mensal estimado no Tesouro Direto, em fundos de investimento imobiliário (FIIs) e em ações para atingir esse objetivo. Todos os cálculos já descontam a inflação e o Imposto de Renda.

Tesouro Direto: R$ 1.100 por mês em 30 anos

Para atingir o equivalente a R$ 1 milhão por meio de investimentos no Tesouro Direto, é necessário investir, aproximadamente, R$ 1.100 por mês ao longo de 30 anos.

Os dados consideram o título Tesouro IPCA+ 2045 e uma inflação média de 4% ao ano ao longo dos próximos 30 anos.

Além disso, parti da premissa de que você vai atualizar o valor dos aportes pela inflação. Por exemplo, se a inflação ficar em 10% no ano, a partir do 13º mês você passa a investir R$ 1.210 (R$ 1.100 mais 10%). Isso vale para todas as simulações desta coluna.

Daqui a 30 anos, R$ 1 milhão terá um poder de compra bem menor do que hoje. Por isso, eu disse acima que com esses aportes mensais você atingira "o equivalente a R$ 1 milhão". Ou seja, você tende a alcançar um valor bem maior, mas que terá um poder de compra semelhante ao de R$ 1 milhão hoje.

Se o objetivo for atingir R$ 1 milhão em 20 anos, o valor dos aportes sobe para cerca de R$ 2.400 por mês. Em dez anos, salta para R$ 7.000.

Fundos imobiliários: R$ 750 por mês em 30 anos

Em fundos de investimento imobiliário, é possível atingir R$ 1 milhão com aportes mensais de R$ 750.

Essa é uma estimativa que considero conservadora. Hoje, o retorno em dividendos de um FII de logística gira em torno de 10,5% ao ano. Porém, nos meus cálculos, considerei uma rentabilidade de 9% ao ano, pois existe chance de o retorno cair a longo prazo, acompanhando uma eventual queda da taxa básica de juros.

Para atingir R$ 1 milhão em 20 anos com fundos imobiliários, os aportes deveriam ser de R$ 1.900; para alcançar o milhão em apenas dez anos, o valor sobe para R$ 6.500 por mês.

As projeções consideram que, além dos aportes, você reinvista integralmente todos os proventos que o fundo distribuirá a você mensalmente.

Ações: R$ 600 por mês em 30 anos

Investindo em ações de empresas com alto potencial de crescimento, é possível atingir R$ 1 milhão com aportes de R$ 600 por mês ao longo de 30 anos.

Essa projeção considera que você consiga uma rentabilidade média real de 10% ao ano ao longo das próximas três décadas, o que é possível se você investir em empresas médias que tenham chance de se tornarem gigantes no futuro.

Assim como no caso dos FIIs, na simulação com ações estou considerando que você reinvista 100% dos dividendos recebidos no período, além dos aportes.

Para atingir R$ 1 milhão em 20 anos com essa mesma rentabilidade, seria necessário aportar R$ 1.600 por mês; para dez anos, o valor subiria para R$ 5.800.

No entanto, saiba que o mercado de ações pode ser muito volátil e imprevisível, ainda mais em prazos mais curtos, como 20 anos e 10 anos. Se vier uma crise como a de 2008, é possível levar mais de uma década para as ações se recuperarem.

Riscos

Não se esqueça de que, quanto maior é a expectativa de retorno, maior é o risco do investimento.

Portanto, enquanto com o Tesouro Direto é necessário investir muito mais por mês, o retorno é bem mais seguro. A chance de perder dinheiro é mínima, se você aguardar até a data de vencimento do título.

Em fundos imobiliários, o retorno é mais incerto, e em ações, ainda mais. Portanto, ao aplicar nessas duas modalidades, o ideal é não concentrar todo o investimento em um único ativo, para diluir o risco. Também é fundamental ler relatórios de analistas de investimento antes de fazer um aporte.

Alguma dúvida?

Tendo alguma dúvida sobre investimentos, me siga no Instagram e envie uma mensagem por lá. Sua dúvida pode ser respondida em breve nesta coluna.

Este material não é um relatório de análise, recomendação de investimento ou oferta de valor mobiliário. Este conteúdo é de responsabilidade do corpo jornalístico do UOL Economia, que possui liberdade editorial. Quaisquer opiniões de especialistas credenciados eventualmente utilizadas como amparo à matéria refletem exclusivamente as opiniões pessoais desses especialistas e foram elaboradas de forma independente do Universo Online S.A.. Este material tem objetivo informativo e não tem a finalidade de assegurar a existência de garantia de resultados futuros ou a isenção de riscos. Os produtos de investimentos mencionados podem não ser adequados para todos os perfis de investidores, sendo importante o preenchimento do questionário de suitability para identificação de produtos adequados ao seu perfil, bem como a consulta de especialistas de confiança antes de qualquer investimento. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura e não está isenta de tributação. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, a depender de condições de mercado, podendo resultar em perdas. O Universo Online S.A. se exime de toda e qualquer responsabilidade por eventuais prejuízos que venham a decorrer da utilização deste material.