PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Magalu despenca com expectativa de juros mais altos nesta semana

Lu, avatar e influenciadora digital virtual criada para divulgação do Magazine Luiza - Reprodução
Lu, avatar e influenciadora digital virtual criada para divulgação do Magazine Luiza Imagem: Reprodução
Conteúdo exclusivo para assinantes

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

03/05/2022 14h07

Uma das ações mais populares da Bolsa de Valores brasileira (B3), o papel da varejista Magazine Luiza (MGLU3) tem apresentado queda nesta terça-feira (3). Às 13h30 (horário de Brasília) a ação caía 3,75%, a R$ 4,62.

Amanhã (4) será a Super Quarta, nome dando ao dia em que o Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano) divulgará em quanto irá subir a taxa de juros dos EUA. Nesta semana o Banco Central brasileiro (BC) também anunciará a nova taxa de juros e o Comitê de Política Monetária (Copom) divulgará os próximos passos em relação à política monetária.

Entenda como as expectativas de alta dos juros —tanto no Brasil quanto no exterior— podem afetar negativamente a Magalu, como é popularmente chamada, e se especialistas ouvidos pelo UOL recomendam a compra da ação.

Baixo desempenho

Magazine Luiza (MGLU3) não é uma ação que tem tido uma boa performance. Neste ano, o papel acumula perda de 30,80%. Em 12 meses, a baixa é de 76%. Só em abril, quando o Ibovespa, principal índice da B3, recuou 10,1%, as ações da rede de lojas e comércio eletrônico andaram para trás em 28%.

Embora seja uma empresa sólida e bem gerida, Magalu sofre com as dificuldades impostas pelo cenário econômico atual, com a inflação em alta.

Além disso, há também o acirramento da competição no setor, conforme ressaltam analistas de mercado. Rivais estrangeiros, como Alibaba, Amazon, Shopee e Shein, estão investindo em capacidade de operação logística local.

Alta dos juros

"Note que o setor de varejo todo está caindo", diz Lívia Rodrigues, analista da Ativa Investimentos. O que influencia essa baixa geral são as perspectivas de alta dos juros tanto no Brasil quanto nos EUA. Segundo especialistas, isso prejudica a Magalu.

"Apesar da crescente diversificação de categorias, as vendas nas lojas ainda se concentram principalmente em bens duráveis —produtos de preço-médio mais elevado, dependentes de um crédito que vem encarecendo em alta velocidade", afirma a própria Magalu, em relatório recente.

A varejista divulgará seus resultados do primeiro trimestre deste ano em 16 de maio.

O que fazer com as ações da Magalu?

A Ativa tem recomendação neutra para a ação. Ou seja, se o investidor já tem investimento na companhia, é indicado que ele mantenha, mas sem fazer novas aplicações. Para quem ainda não tem as ações da empresa, não é recomendado investir nela.

A XP também tem a mesma indicação de neutralidade. "Apesar de acreditarmos que ainda há bastante espaço para a companhia crescer, enxergamos um cenário de curto e médio prazo desafiador", diz o banco.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.