PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Marfrig despenca 8% após divulgar queda de 61% no lucro; vale vender ações?

Processamento de carne bovina em frigorífico da Marfrig em Promissão (SP) - Paulo Whitaker
Processamento de carne bovina em frigorífico da Marfrig em Promissão (SP) Imagem: Paulo Whitaker
Conteúdo exclusivo para assinantes

Lílian Cunha

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/05/2022 13h26

Com queda de 8,26% por volta das 13h desta quarta-feira (4), a R$ 16,67, as ações da Marfrig (MRFG3) refletem a divulgação do balanço do primeiro trimestre de 2022 anunciada ontem.

Os resultados da empresa, uma das maiores de carne bovina do mundo, indicaram lucro de R$ 109 milhões — o que representa uma queda de 61% em comparação ao mesmo período do ano anterior.

Entenda o que levou a esse tombo nos lucros e se vale a pena investir em ações da Marfrig, de acordo com especialistas ouvidos pelo UOL.

O tombo no lucro da Marfrig (MRFG3) é reflexo dos R$ 795 milhões investidos na consolidação da participação de 33,27% na BRF (BRFS3).

A receita líquida total da Marfrig cresceu 30%, para R$ 22,3 bilhões. A companhia disse que se beneficiou da demanda aquecida nos Estados Unidos, com receita em alta de 35%, somando R$ 15,9 bilhões.

O banco BTG diz que o balanço do primeiro trimestre, no fim das contas, foi neutro. Isso porque o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) de R$ 2,7 bilhões foi 69% maior na comparação com o mesmo período de 2021, um total 8% acima da estimativa do banco.

A dívida líquida encerrou o trimestre em R$ 21,9 bilhões, um patamar "surpreendentemente baixo", segundo o BTG.

A queda no lucro da Marfrig é motivo para vender a ação?

Não. "O que pega, na realidade, é o cenário à frente", de acordo com Marcio Loréga, analista do PagBank.

"Com o lockdown na China, a guerra que muda o fluxo das exportações no mundo todo e a fusão com a BRF, o mercado acha que isso tudo pode espremer as margens de ganho da Marfrig", diz ele.

O que fazer com as ações?

A recomendação do BTG em relação à ação é neutra — ou seja, se o investidor já tem ações da companhia, melhor ficar com elas, mas sem fazer novas aplicações. Para quem ainda não tem, não é o momento de adquirir os papéis.

"Permanecemos neutros com base em nossa crença de que a normalização da margem (de lucro) resultará em uma história menos atraente à frente", declara o banco, em relatório.

Para o BTG, com o câmbio agora de volta à casa dos R$ 5, a Marfrig pode ter algum aumento da dívida líquida, o que diminui as margens de lucro da empresa.

Mas para a Mirae Asset a recomendação ainda é de compra da ação. Na visão da corretora, o resultado operacional foi bom e, assim, estima-se uma valorização da empresa. Portanto, o preço-alvo da Mirae é de R$ 30,64 para a ação.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.