PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Como a guerra prolongada na Ucrânia afeta a economia e onde investir?

Em um cenário de guerra, como entre Rússia e Ucrânia, surgem bons investimentos? Entenda - Brasil Escola
Em um cenário de guerra, como entre Rússia e Ucrânia, surgem bons investimentos? Entenda Imagem: Brasil Escola
Conteúdo exclusivo para assinantes

Colaboração para o UOL, de São Paulo

04/05/2022 04h00

A guerra entre Rússia e Ucrânia tem afetado a economia de quase todo o mundo, e o Brasil sente os efeitos por aqui também. Mas existe alguma aplicação mais recomendada neste cenário em que o conflito continua? No Papo com Especialista, programa ao vivo do UOL, o economista César Esperandio explica como o conflito impacta a renda fixa e a renda variável.

Leia a explicação dele e assista abaixo ao trecho do programa. O Papo com Especialista é um tira-dúvidas sobre investimentos exclusivo para assinantes e é transmitido quinzenalmente, às quintas-feiras, das 15h às 16h.

Guerra traz mais inflação

Para Esperandio, o primeiro grande efeito da guerra é um problema adicional de logística global. "Isso já vinha ocorrendo por conta da pandemia da covid-19. Começou a faltar itens em várias cadeias produtivas. Há mais demanda, ou seja, mais gente querendo comprar do que oferta, daí os preços sobem", diz.

Na guerra, houve ainda o problema das commodities (produtos básicos não industrializados, como petróleo e grãos, entre outros).

"Como a Rússia e a Ucrânia são grandes produtores de grãos, com a guerra, há uma diminuição na oferta de produtos alimentícios. E isso levou a uma alta de preços", diz ele, que também é do canal Econoweek.

Selic alta pode favorecer a renda fixa

O economista diz que, para conter a alta da inflação aqui no Brasil, o Copom (Comitê de Política Monetária) tem elevado a taxa básica de juros (Selic).

"Isso significa que a Selic alta pode favorecer a renda fixa? Sim. Pensando em termos nominais, descontada a inflação, pode favorecer a renda fixa. No entanto, não é possível cravar que esse é o melhor investimento neste cenário de guerra", declara.

Vale aproveitar as pequenas oportunidades na Bolsa?

Segundo ele, na renda variável, as empresas de alguns setores foram favorecidas porque as commodities ficaram mais caras -consequentemente, a receita dessas empresas subiu, e as ações acabaram subindo junto.

"Mas isso vai passar. Se você está pensando em investimento de médio e longo prazo, não é aproveitando as pequenas oportunidades que você vai mudar a sua realidade financeira", afirma.

Ele diz que é preciso começar a pensar em montar uma carteira de investimentos olhando o médio e longo prazo, com o objetivo de gerar dividendos com a rentabilidade deles, futuramente.

Papo com Especialista é quinzenal

O programa Papo com Especialista é transmitido às quintas-feiras, quinzenalmente, das 15h às 16h, na página inicial do UOL, no UOL Economia e no UOL Investimentos, e é exclusivo para assinantes. Reveja programas anteriores aqui.

Você pode enviar perguntas ao Papo pelo e-mail uoleconomiafinancas@uol.com.br —elas podem ser respondidas no programa.

Quer investir melhor? Receba dicas em seu email

Você quer aprender a ganhar dinheiro com segurança em investimentos no curto, médio e longo prazo, mesmo que nunca tenha investido?

A página de investimentos do UOL tem uma newsletter gratuita que o ajuda nesse objetivo. Ao assinar, você recebe todos os dias, antes da abertura da Bolsa, uma análise do mercado feita pelo analista Felipe Bevilacqua, da casa Levante Ideias de Investimentos. Com essa newsletter, você vai aprender a investir e entender o que está acontecendo com o mercado.

Além da newsletter diária, você também recebe, semanalmente, uma análise sobre investimentos, com dicas sobre como aplicar melhor e com segurança seu dinheiro. Para assinar a newsletter gratuita de investimentos do UOL, é só clicar aqui.

Tem dúvidas sobre ações, fundos e outros investimentos da Bolsa? Envia sua pergunta para duvidasparceiro@uol.com.br.

Este material é exclusivamente informativo, e não recomendação de investimento. Aplicações de risco estão sujeitas a perdas. Rentabilidade do passado não garante rentabilidade futura.